Numa Braga poluída: o papel de cada um de nós e o da Câmara

Luís Tarroso Gomes @ Braga Ciclável

Publicado em 14/07/2018 às 13:02

Temas: Opinião Bicicleta Braga cidade Fórum Braga Luís Tarroso Gomes Mobilidade Partículas Política poluição Tarroso

Em Braga a poluição ambiental não é algo de que se fale regularmente. E é estranho que tal aconteça: tal como Lisboa e o Porto, Braga excede os valores máximos permitidos por lei. Sabemos hoje os riscos de saúde que corremos por vivermos em permanência em locais poluídos – e há dias um novo estudo juntou mais uma preocupação: as micropartículas libertadas também provocam diabetes tipo 2.

O grande responsável pela poluição das cidades é o automóvel particular. E, em Braga, a mobilidade assenta sobretudo neste meio de transporte poluente e ineficaz. Porém, quando se propõe que utilizemos a bicicleta, os argumentos contra centram-se na impossibilidade desta substituir em permanência um automóvel.

Ora, não é disso que se trata. O que se pretende é que, à semelhança do que acontece até em cidades de grande dimensões como Copenhaga, Barcelona ou Berlim, vejamos a bicicleta como uma alternativa ao carro para determinados percursos. É algo simples que podemos fazer, tal como fechar a água da torneira enquanto escovamos os dentes.

Por que razão havemos de ir de carro fazer meia dúzia de compras, tomar café ou fazer um recado, se o podemos fazer de bicicleta e até estacionar à porta? Aliás, o mais provável é que consigamos fazer tudo de uma só vez e de forma mais rápida se formos de bicicleta. E por que razão não havemos de levar os filhos nas suas bicicletas até à escola? Faça uma destas experiências e veja o tempo e a qualidade de vida que ganha – até mesmo nesta cidade tão pouco amiga dos ciclistas, em particular dos mais frágeis como as crianças, os idosos ou as grávidas.

Mas este esforço individual é só uma parte da solução. É preciso que a Câmara Municipal, em vez das conversas encantadoras sobre sustentabilidade e ambiente, dê passos concretos, incrementais e pedagógicos para reduzir a enorme poluição que cobre a cidade e para reconquistar o espaço público que o automóvel nos rouba. A obra de renovação do PEB – agora Fórum Braga – foi mais uma oportunidade perdida: privilegiou-se o acesso automóvel em detrimento do transporte público, aumentou-se o estacionamento​ ​exterior imperme​ável e, por incrível que pareça, apesar de estar contíguo à ciclovia do rio Este, não se previu a articulação com esta!

É que, ao contrário do que por regra se pensa, criar uma cidade amiga das bicicletas não se resume a construir ciclovias para todo o lado (e ainda que assim fosse importa esclarecer que uma ciclovia sempre custaria por km uma ínfima parte de uma via para automóveis). Trata-se de repensar o funcionamento da cidade existente, quer do espaço público, quer dos seus edifícios. E passa por, nos novos loteamentos e empreendimentos privados, a Câmara impor de origem a boa acessibilidade dos peões e dos ciclistas. E, infelizmente, não é nada disto que temos visto.

 

Cenas a Pedal no “Uma Lisboa Ciclista”

Ana Pereira @ Cenas a Pedal

Publicado em 10/07/2018 às 9:17

Temas: Clientes e amigos No ateliê Pessoas Web e outros Media Blogs clipping entrevistas

Acho que não nos apercebemos logo da publicação, há uns meses atrás, desta entrevista feita em 2016, ainda estávamos no atelier n.º 2, em Alvalade, pelo Artur Lourenço, do Lisbon Cycling-Uma Lisboa Ciclista.

Entretanto mudámos de freguesia (fomos para Marvila), e de formato de espaço (estamos num edifício de armazéns, não temos montra nem porta directa para a rua), mas continuamos a atender-vos como antes, por email e presencialmente por marcação prévia, para vos ajudar a encontrar a solução de cenas a pedal que procuram, e a apoiar-vos em tudo depois da encomenda feita. E claro que a oficina não é só para bicicletas compradas na Cenas a Pedal, basta marcar.

Obrigada ao Artur pelo interesse e pela partilha, e por contribuir também com o seu blog para construir uma Lisboa Ciclista cada vez mais forte, e interessante! 🙂

Se ainda não o fizeram, espreitem o blog e as fotos lindíssimas que o Artur publica de pessoas, lugares, viagens e eventos de bicicleta em Portugal e nos estrangeiro!

O conteúdo Cenas a Pedal no “Uma Lisboa Ciclista” aparece primeiro em Cenas a Pedal.

 

reciclando [40] furos e remendos – revisão da matéria dada

paulofski @ na bicicleta

Publicado em 9/07/2018 às 15:24

Temas: uma boa ideia ciclismo ciclismo urbano cicloturismo dicas fotografia fotopedaladas motivação outras coisas partilha passe a publicidade pneus reciclando Schwalbe testemunho

Eu já nem me lembrava da última vez que tive de vergar a mola à beira da estrada para trocar a câmara de ar a uma das minhas binas.

Sorte, ou talvez não, foi na volta doméstica do sábado passado que tive honras do primeiro furo de 2018.

Sorte, ou talvez não, subitamente o pneu perdeu o ar da sua graça depois de pisar o chão esburacado da avenida dos frondosos plátanos e dos chalés e solares antigos da Praia da Granja.

TYEZD1LU3z-MpiQHdY1vCvG_6qzjC8nL-NagP7J6lQA-2048x1534.jpg

Contabilizados que estão quase cinco mil quilómetros de pedalada na conta corrente do eStrava, do corrente ano 2018 de sua graça, o facto de ter pisado tanto chão sem um furinho para amostra não tem só a ver com a sorte, mas também com a opção dos últimos espécimes de borracha preta. Schwalbe de seu nome tem sido a minha escolha, mais que acertada.

Posto isto, e posta a roda em su sítio, lembrei-me de remecher nos arquivos deste mofado blogue para uma revisão da matéria dada, no que a furos e remendos diz respeito, reciclando este postal educativo.

 

“Oh pai, o pneu da minha bicla furou! Posso levar a bicicleta da mãe?”

O telefonema já me prevenia que mais tarde iria despender uns minutinhos de puro entretenimento. Em casa dei conta que estava em rotura de stock, no que a câmaras-de-ar virgens dizia respeito, e aproveitei para reciclar a câmara furada, tirar umas fotos à operação e reciclar também uma resma de dicas sobre um assunto que é sempre chato.

kit anti-furo
Consoante a possibilidade e necessidade, vira a bicicleta de rodas para o ar, só porque pode dar jeito e facilitar a operação. Neste caso foi a da frente, a mais fácil de tirar, o que para o efeito apenas desapertei o aperto rápido. Se porventura as rodas estiveram apertadas com um parafuso, terás de estar munido com a respectiva chave inglesa. Outro pormenor é aliviar os travões. No caso, a bicla como tem V-brakes foi necessário soltar os braços que sustentam as pastilhas do travão. Com a roda fora e um jogo de alavancas de pneus, retirei o pneu do aro, parte por parte, até que um dos lados do pneu ficou solto do aro. Depois de sacar a câmara é bom não esquecer de tactear a parte interior do pneu, pois o causador da massada, um espinho, um caco de vidro ou de plástico, pode ainda estar lá e voltar a causar danos. Caso encontres alguma coisa roga-lhe uma praga e atira-o para bem longe.

remendo lindooo
Com a câmara cá fora e a bomba na mão, é dar umas bombadas de ar lá para dentro para encontrar o furo. Quase sempre se encontra com facilidade mas o velho truque de mergulhar a câmara em água e procurar a fuga pelas bolhinhas é infalível. Faz uma marca sobre o orifício e depois raspa com lixa até deixares de ver a marca. A finalidade de lixar é deixar a borracha rugosa para mais facilmente fixar a cola que se vai aplicar logo em seguida. Aplicada uma generosa dose de cola em cima e à volta do furo, numa área maior do que o remendo que irá aplicar, deixa-a secar um pouco. Aplica também um pouco de cola na parte interior do remendo e coloca-o sobre o furo, pressionando com firmeza durante alguns minutos.

pump up the volume
Antes de voltares a colocar o pneu é aconselhável que verifiques também o aro e a fita de protecção, assim como dar outra apalpadela no interior do pneu de modo a não haver nada esquecido lá dentro. Volta a inserir a câmara no pneu, introduzindo primeiro a válvula no orifício do aro. Depois, bombeia um pouco de ar na câmara, apenas o suficiente para dares um ajuste do pneu no interior do aro com os dedos e certifica-te que a câmara não ficou torcida ou trilhada. Volta a colocar a roda na forqueta, ajusta a patilha do aperto rápido e o travão. Finalmente enche o pneu na pressão indicada e, caso tenhas vontade, sai e vai dar umas valentes pedaladas de satisfação.

 

Cãovívio a Pedal, p’l’A Casa da Bicicultura

Ana Pereira @ Cenas a Pedal

Publicado em 2/07/2018 às 23:12

Temas: Eventos necessidades especiais Produtos CaP Videos cães fundraising

Como talvez já tenham reparado, a nossa cadela de 12 Kg, a Mutthilda (mutt = rafeiro, hilda = mighty in battle, logo, Mutthilda, mas lê-se Matilda!) vai connosco para todo o lado de bicicleta. No dia-a-dia e nas férias, na cidade e no campo, no Verão e no Inverno, em plano e e a subir e descer, desde as 8 semanas de idade.

Não nos passaria pela cabeça deixar de ir de bicicleta para a podermos levar, ou não a levarmos para podermos ir de bicicleta. Quando dá para ela ir a correr ao nosso lado, soltamo-la, quando não dá (ou não é recomendado sob pena de ela colapsar de tanta correria acumulada), vai à boleia.

Desde o início que levar um cão na bicicleta foi sempre algo que apanha as pessoas de surpresa e lhes põe um sorriso na cara, põe-se a acenar, a fazer-lhe festas, é a loucura. 🙂

Já a levámos em cestos, transportadoras e atrelados. Cestos dianteiros, cestos traseiros. Uma transportadora presa ao deck da longtail Surly Big Dummy do Bruno com umas Rok Straps. Um atrelado gigante de duas rodas, um atrelado de uma roda. Dois cestos diferentes presos ao guiador. Um cesto traseiro fixo ao tubo do selim, outro alongado fixo ao porta-bagagem traseiro, e outro também fixo ao porta-bagagem traseiro mas com um adaptador. Etc. Basicamente andámos a testar o catálogo todo de soluções para transporte de cães. Digamos que temos alguma experiência nisto. 🙂

Já para não falar nela, mais versada em cenas a pedal do que a maior parte dos ciclistas, dado que já andou em bicicletas de touring, bicicletas eléctricas, longtails, recumbents / reclinadas, bakfietsen, tandems e, claro, atrelados! 😀

Circe Morpheus

Por tudo isto, e porque é sempre bom socializar os cães e socializarmo-nos a nós próprios, vamos estar batidos no Cãovívio a Pedal do próximo domingo dia 8 de Julho, em Lisboa, um evento de FUNdraising para a constituição d’A Casa da Bicicultura. Nesse dia esperamos também estrear uma outra solução de transporte para a Mutthilda, uma espécie de cadeira como as dos miúdos. 😀

Esperamos ver-vos também por lá. Vai ser muito fixe!

Programa do Cãovívio a Pedal:

16h-17h30: encontro, convívio e actividades com a Mutts no Jardim do Campo Grande, junto ao parque canino.

17h30-19h: passeio de bicicleta Campo Grande – Alvalade – Lumiar – Campo Grande.

19h30: foto de grupo, fim do encontro no jardim do Campo Grande.

 

Não tens ainda solução para levar o teu cão na bicicleta? Então vem só à parte do encontro. Além do convívio, terás oportunidade de ver as soluções de transporte dos outros participantes, trocar ideias, quem sabe fazer uns test rides.

Além disso, teremos a colaboração da Raquel e do Pedro, os treinadores da Mutts, que gentilmente aceitaram o nosso convite para virem dar-nos umas luzes de como moldar o comportamento dos cães usando técnicas de reforço positivo, não só para os passeios de bicicleta como no dia-a-dia no geral.

Não percas esta oportunidade!

Este é também um evento de angariação de fundos para a Casa da Bicicultura. A participação é livre, mas apelamos a que contribuas com um donativo ao teu critério que ajude a Bicicultura a cobrir os custos da sua fundação oficial – vê como mais abaixo.

Queremos multiplicar estes encontros, e tornar mais fácil aceder a soluções como estas para cães na bicicleta, com a futura veloteca da Casa da Bicicultura! Vem daí! 🙂

O conteúdo Cãovívio a Pedal, p’l’A Casa da Bicicultura aparece primeiro em Cenas a Pedal.

 

Hoje é dia de… MEGA Massa Crítica até Oeiras

Ana Pereira @ Cenas a Pedal

Publicado em 29/06/2018 às 11:17

Temas: Causas Dias especiais educação Eventos formação Iniciativas causas palestras passeios


Em 2015 foi assim a Mega Massa Crítica de Verão!

‘Bora daí! Por uma ligação Lisboa-Oeiras mais fixe para quem vai de bicicleta.
Pssst! Não sabes o que raio é a Massa Crítica? Vê este guia.

E vamos, com a gentil colaboração da Coração Amarelo, conseguir levar o Manuel Costa Henriques, grande dinamizador da Massa Crítica e cicloactivista, a participar. Usando um dos triciclos da Coração Amarelo o ombro em recuperação do Manuel não será impedimento. 🙂 Poderão vê-lo a partir de Algés na Mega MC de hoje!

Circular de bicicleta na Marginal num grupo destes é fácil e confortável mesmo para quem anda pouco de bicicleta. Mas se queres andar à vontade de bicicleta por qualquer lado, de forma segura, e sem medo dos carros ou da estrada x ou y, e sem cair nas armadilhas específicas das vias segregadas, faz este curso. Temos um este fim-de-semana! Se não puderes fazê-lo todo, podes vir só à palestra sábado de manhã! Mais info e inscrições aqui.

O conteúdo Hoje é dia de… MEGA Massa Crítica até Oeiras aparece primeiro em Cenas a Pedal.

 

oh-iii oh-aiii, fui comprar um…

paulofski @ na bicicleta

Publicado em 22/06/2018 às 12:01

Temas: motivação bike to work ciclismo urbano dono babado fotografia humor no meu percurso rotineiro pr'o trabalho outras coisas Porto São João Sua Alteza Velo Invicta

… dois, três, quatro… uma carreta de manjericos  😀

vzvvTJAOBheNqjm8nkRkQnnf_n90mMDOatFJ5eo4Il4-2048x1534.jpg

Este ano o calendário volta a lixar-nos o feriado, mas não é por isso que vamos deixar de fazer uma rusga pela cidade. Agarrem o manjerico, o alho porro e o martelo, e saiam à rua com umas loiras fresquinhas para celebrar o São João.

 

um fim de semana em cheio

paulofski @ na bicicleta

Publicado em 18/06/2018 às 12:01

Temas: marcas do selim motivação aldeia ciclismo ciclistas urbanos do Porto cicloturismo Douro fotografia fotopedaladas outras coisas passeio randonneur roda de amigos route108 & route222

HlOQdZwz_03cicW7VrgvfRSmuyuRKRfGpAYFFVOX_d4-2048x1071.jpg

No sábado fui à aldeia, por um caminho duraDouro. Com um brilhozinho nos olhos voltei às curvas pelas velhas estradas património, EN108 e EN222. Se nos primeiros quilómetros para o interior o vale do Douro se apresentava fresco e enevoado, lentamente a manhã foi ficando mais amena e luminosa. A panorâmica ao longo do rio retomou as cores e a brisa foi me trazendo de volta os aromas característicos da primavera. Ao Lugar do Castelo, a pequenina aldeia da minha mãe, levei uma lágrima e a flor, a quem é e sempre foi uma flor. À minha espera os sorrisos calorosos de sempre e um renovado comentário de espanto.

– Vieste de bicicleta e já cá estás? Deves estar com fome!

Na mesa uma valente travessa de massa, tão amorosamente servida pela minha querida Tia Sílvia, sempre preocupada em me alimentar bem. Desta vez não fui para ficar, nem para deixar ficar uma bicicleta. Depois de duas pratadas bem servidas, das cerejas e do cafezinho, um par de horas passadas à conversa para abafar as saudades e digerir o repasto, retomei a estrada em direcção ao Porto. O vento quente já batia forte, de frente, mas eu sabia pró que ia. Sem qualquer senso de urgência teria uma boa mão cheia de horas a pedalar, invariavelmente difíceis, constantemente contemplativas. Parei sempre que tive vontade de fazer uma fotografia, trincar uma bucha e encher o cantil no estabelecimento comercial de Dona Mariazinha com uma mine preta, fresquinha a estalar.

– Então hoje veio sozinho? Olhe que o Moscatel está no frigorífico…

Um aéreo e vinte centimetros por uma garrafinha de Super Bock e duas bananas é fuel low cost, mais barato que um litro da outra super. Ok, não é combustível que chegue para carburar até chegar a casa, mas tem aditivos suficientes para seguir satisfeito. E como cheguei bem à hora de jantar, lá estava a sopinha e um arrozinho de feijão malando que me souberam tão bem como me soube aquele dia. Uma maravilha.

kONJk0S_hC1InccOkNDC2o-COSTuXKwGUvY63AGkpzU-2048x843.jpg

 

No domingo troquei de montada e fui iNBiCLAR numa roda de bicicletas, amigos e cervejas a copo. É que um gajo não anda pedala a àgua!

 

 

algures no caminho

paulofski @ na bicicleta

Publicado em 12/06/2018 às 14:35

Temas: o ciclo perfeiro boas pedaladas Caminho ciclismo cicloturismo devaneios a pedais fotografia motivação outras coisas penso eu de que... testemunho

UT2oeexwPbkv4OddGPR_qe_KqLFUDrvulFrKODbHy_g-2048x1153.jpg

Há duas formas de começar isto. O inverno está no ar ou a primavera foi um ar que lhe deu. Dizem os entendidos que as estações estão num estado de transição. Eu diria que é depressão e que o tal ciclone dos Açores deve ser bipolar! A natureza manda mas não lhe dou ouvidos e não permito que me obrigue a ficar a mandriar no maldito sofá.

Como é costume num rotineiro sábado de manhã, teria feito uma pedalada para treinar ou mesmo para comutar, mas não o fiz. A manhã foi reservada para uma pedalada um pouquinho mais compridota. Para percorrer estradas conhecidas e outras nunca antes pedaladas. Para pedalar com um sensível senso de lazer, numa jornada de redescoberta enquanto este primaverno transforma o azul em cinzento.

O panorama matinal era bastante nublado. Os céus nunca se abriram de maneira significativa mas a necessidade de deixar fluir as endorfinas e me sentir renovado é mais forte. A  pedalada é um ritual importante para mim e nos dias em que não dá mesmo para pedalar algo parece faltar, sinto-me um pouco vazio, até culpado.

Fugir do constrangimento rodoviário, explorando novos lugares, dando outro sentido ao caminho. Pedalar por este mundo como observador constante. Porque num recanto da estrada, num lugar bem conhecido do caminho se pode redescobrir algo que outrora passou despercebido. É isso que eu adoro no ciclismo, esses momentos de uma nova descoberta.

Cruzar rotas que bem conheço com novos mundos. Proporcionar uma nova aventura, renovando a experiência. Invadir uma rota popular onde caminhantes e ciclistas procuram abrandar a vida para alcançar no seu âmago o significado dela. Viajar pelo seu próprio pé, sonhando acordado, incessantemente.

 

Wild Challenge Experience Plus

Ana Pereira @ Viagens a Pedal

Publicado em 10/06/2018 às 20:52

Temas: campismo microaventuras relatos rotas e destinos Condeixa-a-Nova corrida grutas prova viagens a pedal

No ano passado tropecei online no Wild Challenge. Fiquei logo a pensar “isto deve ser fixe“.

Mas correr não é a minha cena, nunca foi, e não me imaginava a ser capaz de ultrapassar aqueles obstáculos todos, a minha força de braços não é exactamente brilhante. Mas pensei “quem sabe um dia“.

Quando anunciaram uma prova para Maio de 2018, em Coimbra, com um novo “escalão”, o Experience, para quem quisesse “molhar os pés” no conceito, pensei “‘bora lá”. O Bruno alinhou também, embora ainda menos convencido que eu. Tínhamos 5 meses para nos prepararmos fisicamente para a coisa. Vamos apertar com os workouts em casa, e se calhar até começamos a fazer umas corridinhas de vez em quando. Ahahahah, o tempo voou e não mudámos nada nas nossas rotinas. Mas as intenções eram fortes! 😀 Mas decidimos ir à mesma. Não queríamos saber, se fôssemos os últimos, os tipos mais podres, que fosse. 🙂 Íamos experimentar.

Os nossos objectivos eram claros: divertirmo-nos, experimentar algo que nos parecia fixe e ver como nos dávamos, vencer o medo do fracasso e do desconforto, tendo como princípio fundamental evitar lesões, um luxo a que não nos podemos dar.

wild challenge

Para fazer render a viagem a Coimbra, decidimos fazer daquilo uma ciclo-escapadinha e uma microaventura. Então, seguimos para Coimbra no sábado ao almoço, com a mui estimada boleia da CP – sabiam que os Intercidades agora têm as zonas de bagagem e de bicicletas reformuladas? Embora entrar nas carruagens não seja super fácil, pelo desnível e pela largura das portas, a zona de bagagem está mais ampla, e agora é fácil ter as bicicletas e os alforges e afins todos no mesmo sítio e mesmo atrás de nós, o que dá outro nível de segurança e conforto. Parabéns e um obrigada à CP!

Wild Challenge + Buracas do Casmilo

Dá jeito para ir fazendo festas ao cão!

Wild Challenge + Buracas do Casmilo

Chegados a Coimbra pedalámos até à praia fluvial de Palheiros e Zorro, em Torres do Mondego. Temos sempre uns stresses / atritos com a cena das rotas, mas lá atinámos com um plano e seguimos. Como é nosso apanágio, metemo-nos por uns atalhos que pareciam muito má ideia, como trilhos com lama, bastante inclinados, e aparentemente pouco usados, mas que pareciam ser os mais directos, quer pelo MAPS.ME quer pelo feedback de uma senhora da zona que interpelámos para confirmar.

Wild Challenge + Buracas do Casmilo

“Se esta merda não vai dar a lado nenhum vamos ter que subir de volta por aqui! Tens MESMO a certeza?”

Mas depois revelaram-se boas apostas, pois levaram-nos para caminhos na natureza, sempre mais bonitos e agradáveis do que circular nos ambientes urbanos típicos de Portugal (asfalto, carros e mais carros, betão e pouco verde, pouca natureza).

Wild Challenge + Buracas do Casmilo

Wild Challenge + Buracas do Casmilo

A paisagem era bonita, ao aproximarmo-nos da praia, e começámos a ver as estruturas da corrida ao longo da margem. Estávamos quase! Agora vem a preocupação de “onde iremos pernoitar?”. “Será que há um sítio fixe ali?” “Será que ninguém nos vai chatear por montarmos a tenda por aqui?”

Wild Challenge + Buracas do Casmilo

Atravessámos a ponte provisória, mas tivémos o discernimento de voltar a pôr a Mutthilda no cesto, pois se ela caísse ao rio ia concerteza por ali afora com a corrente que parecia forte!

Wild Challenge + Buracas do Casmilo

Chegados ao local, e antes de abancar, fomos dar uma volta e espreitar as imediações. Metemos conversa com outros campistas, e montámos a tenda ao pé do bar e do estaminé do Wild Challenge, pernoitando ali.

Wild Challenge + Buracas do Casmilo

Wild Challenge + Buracas do Casmilo

No dia seguinte, arrumámos tudo cedo. E fomos vendo os outros grupos a partir e a fazer os primeiros obstáculos.

Wild Challenge + Buracas do Casmilo

Wild Challenge + Buracas do Casmilo

E fomo-nos preparando mentalmente para o esforço de algo a que não estamos habituados a fazer (correr, antes de mais, mas todos os outros obstáculos), o desconforto de andar vestido e calçado dentro do rio (até foi pacífico, meus ricos duches diários de água fria, grande condicionamento!), e o natural medo de falhar, de nos magoarmos, e até do ridículo (mas meus ricos 30’s, tudo isto é hoje em dia tão mais pacífico).

Antes da nossa hora de partida arrumámos as bicicletas e a Mutthilda no cesto, e deixámos tudo ali, torcendo para que ninguém nos roubasse nada, nem levasse o cão. 😉

Wild Challenge + Buracas do Casmilo

Fizémos a corrida. Sobrevivemos. Gostámos. Fizémos (ou pelo menos tentámos) quase todos os obstáculos. Divertimo-nos.

Wild Challenge Experience

A única foto de prova!

Voltámos e estava tudo lá, bicicletas, equipamento, cão. Ufa. Depois do almoço e banho, tudo pronto para zarpar. Mais ou menos.

Wild Challenge + Buracas do Casmilo

“São 16h. Ainda queres ir pedalar agora 40 Km sabe-se lá por que estradas?”

Metemo-nos à estrada lá para as 16h e picos, para a parte mais complicada do dia (dado o esforço da corrida e o tempo que sobrava): pedalar 40 Km, com muita subida, descobrimos depois, até às Buracas do Casmilo, onde queríamos pernoitar.

Começou logo para sair da praia, mesmo a doer. 😛

Wild Challenge + Buracas do Casmilo

Mas as vistas iam compensando.

Wild Challenge + Buracas do CasmiloWild Challenge + Buracas do Casmilo

Já sabemos que as subidas dão-nos as vistas, e as descidas. 🙂

Wild Challenge + Buracas do Casmilo

Encontrar um café ou uma mercearia é que foi uma missão difícil. Ao procurar, passámos por um clube desportivo típico, onde desporto há pouco. Este polidesportivo usado como parque automóvel é uma boa metáfora de Portugal.

Wild Challenge + Buracas do Casmilo

Quase a chegar a Condeixa-a-Nova, vimos no mapa e faltava meia-hora para a nossa última esperança de encontrar um sítio aberto ao domingo onde comprar comida.

Wild Challenge + Buracas do Casmilo

Corremos e chegámos a tempo de jantar pizza num Intermarché. Metemo-nos de volta à estrada com estômagos reconfortados, a temperatura estava fixe e, goddammit, nós haveríamos de dormir nas Buracas, mesmo que lá chegássemos às tantas.

E chegámos, quase à à meia-noite, como eu tinha previsto. 🙂 Um senhor que meteu conversa connosco à noite, aconselhou-nos a pernoitar ainda em Casmilo, ao pé do parque de merendas, pois as Buracas eram um local ermo, a 2 Km da povoação de Casmilo. Quando lá chegámos ainda considerámos essa ideia, mas não era por 2 Km. Pernoitar ali não tinha a mesma vibe que fazê-lo no vale mesmo. Seria a diferença entre acordar numa barraca no fim da rua e acordar numa tenda no meio da natureza. 😉

Avançámos pela estrada de terra batida, a descer. Chegámos lá e estava muito escuro e super silencioso. Não tínhamos rede de telemóvel (a cena do ermo…). Andámos com os frontais e às apalpadelas à procura de um local onde montar a tenda. Tivémos que “dobrar” as ervas numa zona, deram uma cama fofinha. Finalmente deitámo-nos para dormir, exaustos mas satisfeitos. E, depois de debelados alguns pensamentos negros tipo “e agora se um de nós se sente mal e precisamos de ajuda, como fazemos, sem telemóvel e a 2 Km da povoação mais próxima (e mesmo assim, minúscula)?…” Dormimos, e foi mais um dia em que celebrámos debelar catástrofes. 🙂

De manhã ouvimos um ou dois tractores a passar por nós, mas ninguém parou nem nada. O sol apareceu e a bicharada começou a dar sinal de vida, e o silêncio da noite deu lugar aos chilreares que esperávamos. Num domingo podíamos ter ali companhia, mas a uma segunda-feira, tínhamos as Buracas só para nós.

Wild Challenge + Buracas do CasmiloWild Challenge + Buracas do CasmiloWild Challenge + Buracas do CasmiloWild Challenge + Buracas do Casmilo

Fomos dar uma volta e vê-las.

Wild Challenge + Buracas do Casmilo

Oiçam só:

Wild Challenge + Buracas do Casmilo

Queríamos tomar o pequeno almoço numa, e gozar a vista, a experiência, o momento.

Wild Challenge + Buracas do Casmilo

E ainda dizem mal das segundas-feiras. You’re just doing them wrong. 🙂

Wild Challenge + Buracas do Casmilo

Depois arrumámos o estaminé todo e pusémo-nos a caminho de Pombal, onde apanharíamos o comboio para Lisboa.

Wild Challenge + Buracas do Casmilo

Wild Challenge + Buracas do Casmilo

Bem, toda a parte de descer do Casmilo até chegarmos ao IC2 foi espectacular. Bonitas paisagens, pelo campo, sem carros, e piso praticamente todo asfaltado. E descidas gloriosas, claro. Adoro descidas gloriosas em bicicleta. É como voar mas sem perder contacto com a terra. 😀

Wild Challenge + Buracas do Casmilo

Pronto, a segurar a máquina fotográfica não consigo ir tão gloriosamente, mas dá para terem uma ideia.

Wild Challenge + Buracas do CasmiloWild Challenge + Buracas do Casmilo

No IC2 apanhámos uma ciclovia a la Dinamarca.

Wild Challenge + Buracas do Casmilo

Ainda bem, porque pedalar ali teria sido uma porcaria dada a configuração da estrada e o nível e tipo de tráfego (muitos camiões).

Wild Challenge + Buracas do Casmilo

Em Pombal almoçámos no jardim. A estação de Pombal não é má, tem cafetaria e WC, mas principalmente, tem um jardim público logo ao lado, com um WC público incrível, limpo, com todos os consumíveis, até um duche tinha!

Wild Challenge + Buracas do CasmiloWild Challenge + Buracas do Casmilo

Depois tivémos é que secar 1h à espera do comboio, que sofreu um atraso não sei porquê. Mas pacífico, todos os problemas da vida fossem esses! 😉

Os dois ou 3 dias antes de partirmos são sempre emocionalmente desconfortáveis. “Se calhar não devíamos estar a fazer isto agora, não devia gastar dinheiro agora, devia ficar a trabalhar, vamos meter-nos numa prova – quem pensamos que somos?, ainda nos lesionamos, e se não conseguimos fazer os 40 Km naquele dia, onde dormimos?”, and on, and on, and on. Mas felizmente, insistimos e vamos, e ficamos sempre felizes por isso. Lidar com as dúvidas, a self-doubt, as inseguranças, os receios, o medo de sair da zona de conforto, o risco!, é fundamental para crescermos, e para vivermos vidas cheias, plenas, satisfeitas. Foram pouco mais de 48h, mas mais uma vez o paradoxo das férias deixou-nos com a sensação de que estivémos fora uma semana, a fazer o que mais gostamos: viajar de bicicleta. 🙂

Todas as fotos aqui.

O conteúdo Wild Challenge Experience Plus aparece primeiro em Viagens a Pedal.

 

Video do passeio e piquenique

António Pedro Figueiredo @ MUBi

Publicado em 8/06/2018 às 12:30

Temas: eventos alvalade bicicleta piquenique

No passado dia 27, a Casa da Bicicultura e a MUBi organizaram um passeio e um piquenique de convivio entre utilizadores de bicicleta, activistas e fãs deste modo de transporte.
O passeio passou por vários locais e o piquenique foi na mata de alvalade na sombra fresca das pinheiros e sobreiros. [...]

 
Página 1 de 45 | Seguinte >>