Primeiro commute na "Gestrudes"

@ Eu e as minhas bicicletas

Publicado em 20/08/2019 às 23:09

Temas: cargo gsd tern

Hoje foi o primeiro dia que levei a nova bicicleta para o meu commute no trabalho, com a adicionante de ter levado a filha à pendura para ir para o ATL que era perto do trabalho.

IMG_20190820_193120.jpg

Honestamente não conto fazer viagens tão grandes com ela à pendura e até acho que deve ter apanhado grande seca, pois ainda são quase 17 kms e atravessar Lisboa ainda demora uns 45 a 50 minutos.

Felizmente hoje estava menos trânsito por ser agosto e só, e sublinho o só, apanhámos 3 semáforos vermelhos...! Maravilha!

Comparativamente com a Romana, fiz o mesmo melhor tempo!  Querem lá ver que haveria de ter melhor estreia que esta?! BRUUTALLL!

Entreguei a filha à "porta" do ATL com todos os outros miúdos de boca aberta a ver a filha a chegar na "Gestrudes", que ela (a filha) até ficou envergonhada com tanta atenção...

Na Romana no mês passado de julho num dos seus últimos commute:

1Romana.PNG

Na "Gestrudes" hoje, com a filha à pendura:

2Gestrudes.PNG

Ao final do dia já viemos com mais vagar e houve tempo para fotos e deleite com a "Gestrudes".

small.jpg

IMG_20190820_181026.jpg

IMG_20190820_181837.jpg

IMG_20190820_190333.jpg

IMG_20190820_221228.jpg

IMG_20190820_191029.jpg

Uma das razões da compra desta bicicleta é que é mesmo muito versátil e até a filha de 9 anos já a consegue usar e pedalar - é certo que ainda não pode fazer uso dela sozinha, mas mais uns tempos e será ela que me leva a mim até à escola e depois eu sigo para o trabalho.

A Romana que era uma bicicleta espetacular mas só podia ser usada por mim lá em casa, esta "Gestrudes" pode ser usada por todos. 

IMG_20190820_185208.jpg

Como foi a primeira vez, não sabendo ainda a capacidade da bateria em termos de uso nos percursos levei o carregador e carreguei a bateria no trabalho. Honestamente penso que uma carga deverá dar para ir e vir, mas só com o tempo irei ter a certeza da capacidade real.

Seja como for, se não der, esta Tern GSD é até ao momento a única bicicleta com apoio elétrico de motor Bosch que pode levar duas baterias, e se for caso disso posso abrir os cordões à bolsa e comprar essa segunda bateria... um dia, talvez! Mas parece-me que não será de todo necessário para o meu percuso de casa-escola-trabalho-casa.
 

Primeiros quilometros na "Gestrudes"

@ Eu e as minhas bicicletas

Publicado em 20/08/2019 às 22:28

Temas: cargo bike gestrudes gsd longtail tern

Ora a primeira viagem da nova companheira foi logo de Cascais desde a BeElectric até Carnaxide pela Avenida Marginal, ainda com os papeis de novo equipamento a mostrar a novidade e a deixar de boca aberta de espanto por quem passávamos a rolar pelo asfalto.

Foi uma viagem tranquila sem pressa e a tirar umas fotos para a galeria...

IMG_20190815_105519.jpg

IMG_20190815_111759.jpg

IMG_20190815_112518.jpg

IMG_20190815_113853.jpg

IMG_20190815_114538.jpg


À noite fomos dar uma volta em família de casa até às Docas / Ponte 25 de Abril e volta, uns 12 kms (ou pouco mais).

Estava uma noite assombrosa de bela, amena, com um luar luminoso...

IMG_20190815_211428.jpg

IMG_20190815_212638.jpg

IMG_20190815_214749.jpg

A Gestrudes porta-se muito bem, em plano mesmo com os meus exagerados quase 90 kg, sim, estou assim para o forte :(, e os 35 kg da filha dá para ir sem assistência e a rolar bem, obviamente que a subir é melhor meter a assistência, e nota-se bem o apoio... consegui fazer uma belas subidas com umas inclinações upa upa e sem grande esforço, mas o consumo da bateria nota-se!

A luz dianteira que vêm de origem é muito, mas mesmo muito boa!

Estou fascinado com a capacidade de adaptação da Gestrudes à posição de condução para diferentes tamanhos... eu tenho quase 180 cm de altura e fico numa posição super confortável!

 

Adeus Romana! Olá "Gestrudes"!

@ Eu e as minhas bicicletas

Publicado em 15/08/2019 às 19:39

Temas: cargo gsd tern

Após 3 anos e meio de muitos e bons momentos, chegou a hora de me separar da Romana.

E Romana é a graça da minha bicicleta Lombardo Roma com assistência à pedalagem que comprei quando mudei de local de trabalho para o Tagus Park e o itinerário era um sobe e desce em montes e vales que não me permitiam galgar só com a força do sangue.

Muitos kms fiz até lá, à chuva, ao vento, ao sol, ao frio, de noite, ao calor, na fresquinha... tantos e tantos kms que apesar de ser com apoio elétrico à pedalagem, apenas até aos 25 kms/h, me faziam esforçar e pedalar!

A estes cinco mil e quinhentos kms faltam juntar uns quantos que pedalei quando a bateria finou-se e tive de puxar aqueles quilos todos (+-25kg com a carga que levava normalmente).

IMG_20190815_101805.jpg


Com a mudança de local de trabalho em finais de 2018 e as rotinas familiares não conseguia usar a Romana tantas vezes como antes. Ainda assim consegui algumas vezes fazer o percurso que agora é bem distinto, mais longo, mais urbano, mais trânsito, um pouco de ciclovias, menos subidas, mais tempo de viagem... Mas efetivamente era uma pena vê-la parada e a minha rotina impossibilitar o seu uso.

Assim que andei a namorar outra, e durante uns tempos li, reli e pedi conselhos e opiniões, mas não havia maneira de me decidir...

Recentemente uns depósitos a prazo que tinha venceram e não enconcontrava nada para re-investir essa verba (não era nenhuma fortuna mas ainda é dinheiro) e curiosamente numa conversa com o meu "buddy" lá no trabalho (cargo oficial dado a quem recebe e acompanha os novos colaboradores na sua adaptação e introdução à empresa) sobre investimentos, a conjuntura económica e a vida em geral, este que é uma pessoa sábia e ponderada disse-me algo assim:
"Olha, o dinheiro parado não vale nada, não cresce... o melhor investimento que podes fazer é em felicidade. Compra felicidade! Viaja, passeia, compra as coisas que gostas, gasta no que te faz feliz!"

happyness.png

Foi como somar 1+1, uma revelação, um abrir de olhos, connecting the dots, etc...!
O meu "buddy" é que a sabe toda!

Feito um test-ride à futura bicicleta, negociado os termos, datas e pagamentos... hoje foi o dia de ir buscar a nova companheira. E esta não será apenas para mim, mas para a família toda, uma verdadeira multi-funcional familiar... uma cargo-bike.

tern.PNG

Saí de casa pela fresca de manhã com a Romana para a nossa última aventura no asfalto... de casa à loja BeEletric do Miguel Feliciano, onde comprei a Romana e que a aceitou como retoma na aquisição da nova bicicleta - porque a Romana estava quase como nova, sem um arranhão, muito estimadinha!

IMG_20190815_095932.jpg

IMG_20190815_101121.jpg

Infelizmente o Miguel não tinha todos os acessórios que havíamos combinado já disponíveis para entrega com a bicicleta - problemas nas encomendas, enfim, acontece - o que me irá obrigar a ter de lá voltar com a dita assim que estes tiverem chegado, foi um pouco anti-climax mas paciência... espero que cheguem antes de ir de férias pois a ideia era levar a dita na última semana de férias de verão ainda este ano para fazer os commutes para a praia, all the family all the way!!

Mas já vim a rolar pela Avenida Marginal (essa via que devia ter uma redução de velocidade e até mesmo uma ciclovia na marginal e não uma auto-estrada que rouba o espaço às pessoas) e que bela experiência...

Depois da Felicidade (que vendi, a felicidade afinal tem preço), da Prazeres, da Romana, da Nazaré (apercebi-me agora que nunca escrevi sobre o Canhão da Nazaré aqui no blog), chegou agora a "Gestrudes"...

IMG_20190815_114538.jpg

IMG_20190815_121019.jpg

Ainda nem tirei os plásticos e papeis de instruções!! :)

Foi a filha que escolheu a cor, e como a decisão da aquisição também passou por ser um meio de levar a moça à escola era apenas justo que ela escolhesse como queria lá chegar, se de azul, cinza ou amarelo (mango, que para mim é fruta mas dizem que tb é côr).

Site oficial da Tern GSD: https://www.ternbicycles.com/bikes/gsd
Site da BeEletric onde comprei: https://beelectric.pt/loja/tern/

(sim, é muito dinheiro, mas vou poupar imenso em combustível, e ganhar em saúde e em felicidade!)

Nota: Eu sei que é Gertrudes, mas "Gestrudes" é à moda de "Biszeu" vá... e é para ter o GSD, got it? GeStruDes! Como a PraZeureS que é a bicicleta da ex-marca basca Zeus. Vá, bare with me on this. E além disso as bicicletas são minhas eu dou os nomes que quiser :)
 

Obras colocam em perigo utilizadores da ciclovia de Lamaçães

Braga Ciclável @ Braga Ciclável

Publicado em 15/08/2019 às 0:39

Temas: Notícias Amesterdão Berlim Bicicleta bicicletas Braga braga ciclável bragaciclavel Desvios Lamaçães Município de Braga Obras


Quando há uma obra na via pública é muitas vezes necessário criarem-se desvios ou simplesmente sinalizar temporariamente novas vias de circulação. Este procedimento surge não só para obras na via pública, mas também para obras de novas construções que levem à ocupação da via pública, muitas vezes para a criação do espaço necessário para estaleiro de obra e/ou para espaço de colocação de grua. O normal, nestas situações, é que se criem percursos alternativos para os diversos modos de transporte.

Por vezes é necessário suprimir lugares de estacionamento automóvel para que se mantenham os dois sentidos de trânsito e, ao mesmo tempo, criam-se duas passadeiras temporárias. Um destes exemplos em Braga é a obra em execução na Rua Gabriel Pereira de Castro.

Noutras alturas é necessário alterar, temporariamente, a paragem de transporte público, suprimir lugares de estacionamento e criar passadeiras temporárias, como aconteceu com a obra na Pousada da Juventude.

Há outros casos que a supressão da via pública se limita ao passeio, e aí é muitas vezes criada uma passagem que substitui o passeio, como aconteceu já na Rua dos Chãos ou na Rua de São Sebastião ou até mesmo na Avenida da Liberdade.

Ora se assim é nestas situações, porquê que quando nos deparamos com a ocupação da via pública a ser feita em passeio e ciclovia, não se cria uma alternativa para a ciclovia?

É assim que acontece em Amesterdão, em Berlim, ou em qualquer cidade que tenha a bicicleta em conta como parte da solução para a mobilidade, que a veja de uma forma séria e que, acima de tudo, tenha uma estratégia e um plano para a promoção da mobilidade em bicicleta, para além de um plano de mobilidade urbana sustentável!

Em Lamaçães hoje deparamo-nos com uma ocupação de via pública, fruto de uma obra que está a arrancar, que suprime o passeio e a ciclovia, mas que apenas cria alternativa para o passeio. Isto leva a que as pessoas que ali circulam de bicicleta tenham que se desviar deste obstáculo sem qualquer sinalização ou percurso temporário definido, ficando assim ainda mais em risco a sua segurança!

Os desvios temporários de trânsito, seja ele em que modo de transporte for, têm como principal objetivo garantir a segurança dos utilizadores dos modos de transporte desviado. Neste caso os utilizadores daquela ciclovia não têm a sua segurança garantida!

Isto é mais uma demonstração da falta de cuidado, de valorização da utilização da bicicleta e de dar garantias de segurança para aqueles que utilizam a bicicleta em Braga, por parte do Município que tem o papel de autorizar, fiscalizar e planear estas situações.

 

na bicicleta é que está o ganho

paulofski @ na bicicleta

Publicado em 13/08/2019 às 14:33

Temas: 1 carro a menos bicicleta bike to work ciclismo ciclismo urbano fotografia fotopedaladas mobilidade motivação opinião outras coisas Sua Alteza Tripas

apocalipse zombie

Esta espécie de apocalipse zombie, da loucura generalizada nas bombas de gasolina porque os motoristas de pesados de matérias perigosas decretaram nova greve, só demonstra a enorme dependência dos portugueses em relação aos combustíveis fósseis.

O ciclista não se sente ameaçado por esta greve mas sente diariamente a pressão do trânsito. Os engarrafamentos são um dos principais problemas para o bem-estar dos cidadãos. A opressão automóvel é inimiga do meio-ambiente e da mobilidade urbana. Deveria ser prioridade de qualquer governo não medir esforços para diminuir a quantidade de carros nas ruas.

Para os utilizadores da bicicleta, nem todas as cidades estão devidamente equipadas com infra-estruturas em meio urbano e serviços apropriados à bicicleta. Para o cidadão trabalhador que utiliza diariamente a bicicleta como meio de transporte, a bicla é a alternativa perfeita ao carro e aos transportes públicos.

Bastante apreciada pelos nórdicos e holandeses, implementada fielmente em grandes cidades europeias, a bicicleta conquista um lugar especial nos hábitos dos europeus. O uso da bicicleta diminui significativamente o congestionamento das estradas, a emissão de carbono, a poluição sonora e o consumo de combustível. Por sua vez, aumenta a qualidade de vida, ganhamos tempo, beneficia a nossa saúde e a da nossa carteira. É um meio de transporte prático, saudável, económico e ecológico. Vantagens não faltam, só é preciso pedalar e haver condições para tal!

Vários países acreditam que a bicicleta é o empurrão revolucionário para os grandes centros urbanos diminuírem o impacto do automóvel no meio ambiente. Para isso, é essencial tornar as cidades mais bikefriendly e promover a mudança de mentalidades e comportamentos. É fundamental Investir em infra-estruturas para os ciclistas e em políticas de prioridade e educação, alertando a população a respeitar este meio de transporte. Neste assunto a mestria e inovação dos holandeses é uma verdadeira inspiração.

A Holanda é a maior referência no ciclismo como meio de transporte. Exemplo de tradição e vanguardismo, o governo holandês encorajou as empresas a incentivar os seus trabalhadores colaboradores a adoptarem a bicicleta para as deslocações casa – trabalho. A ideia não é novidade. Através de um sistema de compensação financeira, o governo holandês incentivou as empresas a pagar 0,19€. por cada quilómetro pedalado no caminho de ida e volta casa-trabalho. Além das recompensas fiscais, os trabalhadores que troquem o carro pela bicicleta nas suas deslocações diárias recebem também subsídios para a compra de uma nova bicicleta.

Comparando com o que se verifica na Europa, em Portugal o hábito da bicicleta como meio de transporte ainda não é muito recorrente. Porém, apesar dos portugueses não serem um povo tipicamente ciclista, já existem centros urbanos em processo de adaptação à bicicleta. Como diz o povo, que “devagar se chega longe”, então junto a isso que “a pedalar é a melhor forma para lá chegar”.

Grande parte das deslocações casa – trabalho é feito em automóvel e corresponde a um percurso curto, em meio urbano. Estima-se que em média mais de metade não ultrapassam os 7 quilómetros! Juntando isso ao desperdício de tempo que se gasta nos congestionamentos, à despesa em combustível, ao estacionamento pago, a conta final absorve uma grossa fatia do orçamento mensal.

Imagina se recebesses uns trocos por cada quilómetro que pedalasses no caminho para o trabalho. Com um incentivo destes, estou certo que muito boa gente iria trocar o carro pela bicicleta. Iria respirar de alívio quando escapasse ao stress do trânsito caótico e ao drama do estacionamento. Iria concordar comigo que na bicicleta é que está o ganho.

 

Uma viagem até ao mundo das bicicletas

Sandra Ferreira @ Braga Ciclável

Publicado em 9/08/2019 às 23:01

Temas: Opinião Bicicleta Bicicleta em Braga Braga Braga Ativa braga ciclável ciclovia Diário do Minho Exercício Medo Modo Ativo Modos Ativos Pedalar em Braga Sandra Ferreira


Olá, eu sou a Sandra tenho 24 anos e sou Engenheira Informática e, portanto, tenho pela frente uma vida propícia a muita movimentação, atividade física e energia. Só que não!

Comecei a trabalhar há cerca de dois anos no Porto e, como tal, o uso de transportes públicos e o uso do carro faziam parte do meu dia-a-dia. Todos os dias fazia a viagem Braga-Porto, Porto-Braga. Eram duas horas do meu dia despendidas a andar de autocarro, que somadas às oito horas de trabalho me tiravam qualquer energia existente para praticar qualquer tipo de exercício físico.

Enquanto isso, via as pessoas à minha volta a começarem o dia a caminhar, a correr e a deslocarem-se de bicicleta para o trabalho. Também eu queria fazer parte deste grupo de pessoas.

Quando surgiu a oportunidade de me mudar para Braga uma das coisas que tive em conta na minha decisão foi a possibilidade de poder transformar a aborrecida viagem casa-trabalho em algo agradável.

Tinha já em mente mil e um planos, mas como qualquer grande parte das boas intenções que temos não passa disso mesmo…uma boa intenção. Optei pelo caminho mais fácil: deslocar-me de carro e a mudança de uma hora para oito minutos de viagem parecia fantástica e até me dava a ilusão de ganhar tempo para fazer o tão necessário exercício. Isto até me deparar com o tão desagradável trânsito da Universidade. Aí já não eram 8 minutos, mas sim tempos infinitos no pára-arranca que me deixavam frustrada e maldisposta.

Com a chegada dos dias de sol todo o propósito da mudança da vida sedentária voltou a ganhar força, de tal forma que reparei numa alternativa mesmo em frente dos meus olhos: tinha perto de mim e ao meu dispor uma ciclovia que ligava a Universidade ao Polo de Negócios, o meu atual local de trabalho. Era a altura certa para a mudança!

Juntei o gosto que sempre tive por andar de bicicleta ao encorajamento, que o meu namorado e amigos me davam, para tirar o pó à bicicleta que estava parada em casa e a trazer até as ruas da cidade de Braga.

Fiz a minha primeira viagem a medo, não vou mentir. O trânsito infernal, a velocidade a que os carros circulam na zona das rotundas da Universidade e do INL, aliadas à falta de respeito que os condutores tinham e têm para com os ciclistas assustavam-me. Ainda hoje me sinto insegura até chegar à zona em que realmente existe a ciclovia, mas a verdade é que sinto que isso é um mal menor comparado com a energia e boa disposição que a bicicleta repôs nas minhas manhãs e finais de tarde. A vontade de pedalar deu lugar ao cansaço e stress que acabam por ficar pelo caminho.

Deixei o carro, poupei no combustível, passei a contribuir para o bem do planeta e, sem perceber, cumpri o desejo de voltar a introduzir o exercício físico e, desse modo, melhorar a minha qualidade de vida.

 

Bicicletas podem circular na zona pedonal de Braga – diz parecer jurídico

Braga Ciclável @ Braga Ciclável

Publicado em 6/08/2019 às 23:01

Temas: Comunicado Bicicleta Braga braga ciclável Parecer Jurídico peões Zona Pedonal


A Braga Ciclável tem defendido, junto dos técnicos municipais, dos decisores políticos e publicamente, que a Zona Pedonal de Braga não proibe, nem permite a circulação de velocípedes. Ao mesmo tempo temos vindo a defender que aquela zona deveria passar a ser uma Zona de Coexistência, conceito bem definido no código da estrada, onde também estão definidas as regras a serem observadas nessas zonas.

Uma «Zona de coexistência» é uma zona da via pública especialmente concebida para utilização partilhada por peões e veículos, onde vigoram regras especiais de trânsito e sinalizada como tal, deixando de haver a necessidade de regulamentos para cada gama de veículos.

Numa zona de coexistência os utilizadores vulneráveis podem utilizar toda a largura da via pública, é permitida a realização de jogos na via pública, os condutores não devem comprometer a segurança ou a comodidade dos demais utentes da via pública, devendo parar se necessário, os utilizadores vulneráveis devem abster-se de atos que impeçam ou embaracem desnecessariamente o trânsito de veículos e é proibido o estacionamento, salvo nos locais onde tal for autorizado por sinalização.

Enquanto se aguarda a publicação do “Regulamento de Controlo de Velocípedes na Zona Pedonal” que “permite a circulação de velocípedes na zona pedonal, onde é fixado um limite máximo de velocidade, respeitando sempre a circulação dos peões“, previsto no PDM – Plano Diretor Pedonal, a Braga Ciclável decidiu pedir um parecer jurídico que dissipasse as eventuais dúvidas sobre se um velocípede pode circular na zona pedonal.

As dúvidas que poderiam existir sobre a legalidade de um velocípede circular na zona pedonal são agora desfeitas por um parecer jurídico que está disponível para consulta no site da Braga Ciclável.

Assim a Braga Ciclável reforça a sugestão de alterar a zona pedonal para uma zona de coexistência que traz consigo toda a regulamentação necessária para a circulação e estacionamento dos mais diversos veículos.

 

Braga Ciclável reuniu com a Plataforma dos Amigos da Freguesia de São Vicente

Braga Ciclável @ Braga Ciclável

Publicado em 3/08/2019 às 23:01

Temas: Opinião Arnaldo Pires Braga braga ciclável BUILD FARO A PEDALAR Infias José Macedo Mário Meireles Plataforma Amigos de São Vicente Rotunda de Infias São Vicente TROTINETES


No passado dia 3 de agosto, pelas 10h00, a associação Braga Ciclável reuniu com a Plataforma dos Amigos da Freguesia de São Vicente na rotunda de Infias, seguindo-se uma pequena volta pela freguesia que culminou na Praça da Galiza, junto da Estação Central de Camionagem.

A representar a Plataforma dos Amigos de São Vicente esteve José Macedo e a representar a associação Braga Ciclável esteve Mário Meireles e Arnaldo Pires.

Esta reunião, que decorreu na sequência de um pedido da Plataforma, teve como propósito a identificação de necessidades e melhorias da freguesia de São Vicente ao nível da mobilidade em bicicleta.

Ao longo da conversa foram abordados vários temas relacionados com a mobilidade em geral e com a bicicleta em particular. A reunião decorreu no pelourinho existente na rotunda de Infias que, apesar da falta de acessibilidade ao mesmo, há uma utilização daquele espaço central pelas pessoas. Um espaço que é fresco e que poderia ter uma fruição maior pela população, da freguesia e da cidade. No entanto, o problema do congestionamento da rotunda de Infias e o excesso de carros a utilizar o Nó de Infias foram alertas deixados pela Braga Ciclável.

Os representantes da associação disseram mesmo que há a necessidade de semaforizar esta rotunda, por forma a organizar os fluxos e reduzir tempos de percurso. Ao mesmo tempo falaram da necessidade de melhoria do piso daquela rotunda, que está muito gasto e que em dias húmidos ou com chuva se nota a dificuldade, e muitas vezes impossibilidade de circular, por parte dos veículos pesados, e que ao mesmo tempo é bastante desconfortável na utilização da bicicleta.


imagens gentilmente cedidas pela Faro a Pedalar

O surgimento de inúmeros lugares pintados de vermelho com o símbolo de trotinetes e bicicletas, mas sem qualquer infraestrutura de apoio, foi também alvo de conversa. Sem se saber exatamente o que são, não deixou de haver alguma perplexidade por em tão pouco tempo se conseguir implementar lugares que parecem ser para operadores de partilha de trotinetes, numa solução semelhante à existente em Faro, mas que ao fim de 3 anos os lugares de estacionamento para bicicletas, que venceram os orçamentos participativos da junta de freguesia de São Victor e da União de Freguesia de São João do Souto e São José de São Lázaro e que iam servir toda a população, continuarem por executar.

A par disso sugeriu-se que se trabalhe no sentido de melhorar as condições para utilizar a bicicleta em São Vicente. Medidas de rápida implementação e baixo custo como o encerramento da rua Dr. Domingos Soares acesso ao Sá de Miranda), permitindo acesso a moradores com garagem, ambulâncias e bicicletas, ou a colocação de bicicletários em pontos estratégicos, a sobreelevação de várias passadeiras na freguesia fora a zona do projeto BUILD, ou mesmo a melhoria do pavimento para a utilização da bicicleta em diversos pontos da freguesia são medidas que poderão ser trabalhadas e executadas rapidamente.

Através da pequena volta efetuada pela freguesia foi possível também a José Macedo perceber que a utilização da bicicleta pode ser útil para determinadas deslocações, em especial no acesso ao nosso centro histórico. Ligações da Estação Central de Camionagem ao Centro da cidade, ligar de forma segura as zonas residenciais às escolas, são aspectos fundamentais para que os pais possam deixar os filhos pedalar no dia a dia e assim retirar pressão automóvel destes pontos que estão diariamente congestionados.

Arnaldo Pires reforçou ainda que os ganhos para a saúde, quer pela deslocação ativa, quer pela redução da poluição sonora e ambiental, quer pela redução das partículas inaladas (PM), são factores de saúde importantes, mas que ao mesmo tempo têm ganhos económicos para a pessoa em questão, mas também para a economia local e nacional.

 

melhor mobilidade, maior segurança

paulofski @ na bicicleta

Publicado em 2/08/2019 às 12:36

Temas: uma boa ideia a nossa rua boas ideias ciclismo urbano ciclistas urbanos do Porto ciclovia cidades CMP fotografia fotopedaladas mobilidade motivação no meu percurso rotineiro pr'o trabalho outras coisas Porto Prelada segurança rodoviária trabalho de campo Tripas

A nova via ciclável e a introdução de novas regras de circulação na zona Francos/Carvalhido visam permitir o alívio da pressão numa das zonas mais críticas da cidade. A par dos arranjos das zonas públicas conexas, as medidas apontam também para outro importante resultado: facilitar o escoamento dos automóveis do centro da cidade e no acesso a importantes vias estruturantes do trânsito, como a Circunvalação e a VCI. […]

[…] Além disso, serão criadas novas zonas de estacionamento, o qual será por isso alvo de reorganização. […]

[…] Ao mesmo tempo, é introduzido um importante fator para estimular comportamentos mais saudáveis e mais amigos do ambiente com a criação de uma via especial para bicicletas que liga a Rua da Constituição e a Avenida da Cidade de Xangai.

Futuramente, terá expansão à Boavista.

Muito bem! Agora só falta saber a quantos anos corresponde esse “futuramente”!

Já irei falar detalhadamente sobre o trabalho de campo que andei há dias a fazer pela minha vizinhança, mas o que desde logo me saltou à vista foi a abertura de novos corredores dedicados à bicicleta em detrimento do habitual estacionamento, legal e ilegal, que se verificava em algumas das ruas intervencionadas.

Desde 9 de Julho, as zonas de Francos e do Carvalhido viram ser implementadas uma série de inovações na regulação do trânsito, como a abertura de um novo arruamento, alteração de sentidos e criação de via ciclável, visando a “melhoria da mobilidade, alivio da pressão do trânsito, facilitar o escoamento dos automóveis do centro da cidade e no acesso a importantes vias estruturantes do trânsito”, como são os casos da Estrada da Circunvalação e da Via de Cintura Interna.

A principal novidade é, desde logo, a abertura de um novo arruamento que consiste no prolongamento da Rua de Fernando Cabral. O novo troço de sentido único tem saída para a Rua Pedro Hispano perto do entroncamento desta com a Rua da Constituição.

Associada à abertura desse novo arruamento, surge a criação de uma via especial para bicicletas ao longo de quase toda a Rua de Fernando Cabral que vai ligar pela Rua do Lugarinho e a Rua de Teodoro de Sousa Maldonado à ciclovia da Prelada, a ciclovia que liga à Circunvalação pela Avenida da Cidade de Xangai. Reafirmando, por outro lado, a importância do crescimento da rede de vias cicláveis, o Município considera que a nova ciclovia constitui “um importante factor para estimular comportamentos mais saudáveis e mais amigos do ambiente”. Em jeito de promessa, refere a CMP que futuramente a via ciclável terá expansão até à Boavista.

Resultado do projecto e abertura de uma nova ligação entre a Circunvalação (EN12) dando uso ao viaduto sobre a VCI, nasceu há coisa de uma década a ciclovia da Prelada, o tapete vermelho onde diáriamente coloco as rodas da bicla, à saída e à chegada a casa. Com uma extensão de aproximadamente 1,2 km, a pista adorna toda a extensão da Avenida da Cidade de Xangai. No lado poente até à Rua de Requesende e depois passa para o lado nascente até à Rua de Teodoro de Sousa Maldonado.

Ao longo da sua existência a ciclovia da Prelada tem resultado num equipamento proveitoso para os utilizadores de bicicletas e outros veículos com rodas. Mas, como toda a ciclovia desnivelada e plantada no passeio, desde logo esta ciclovia tem os seus estorvos. Outra imperfeição é terminar abruptamente num passeio.

Para a ligação à nova via ciclável, a  “solução” encontrada foi abrir um pequeno corredor pelo passeio, apenas com sinalização vertical de via partilhada, para voltar então ao nível da rua, colocando aqui o eterno problema de gestão entre a mobilidade pedestre e a ciclável. Ponto negativo portanto.

Para lhe dar continuidade, a nova via ciclável segue pelo asfalto ao longo da Rua de Teodoro de Sousa Maldonado. Mesmo sendo bem mais estreita que a ciclovia da Prelada, o facto de retirar espaço ao estacionamento automóvel é um ponto positivo. Pintada a pista no pavimento, o acesso aos carros foi vedada recorrendo aos conhecidos pilaretes reflectores, bem como à sinalização vertical e horizontal.

Ao chegar à intercepção da Travessa da Prelada, a via ciclável perde a sua protecção e é desviada para a via oposta, atravessando a rua paralela à passadeira. Seguindo agora pela Rua do Lugarinho, o pavimento encontra-se borrado com sharrows de bicicletas, indicando o caminho aos eventuais ciclistas. Foram também pintados a amarelo traços contínuos e sinalização bem explícitos que ali é proibido estacionar!!!

Os sharrows no pavimento continuam até ao cruzamento com a Rua de Fernando Cabral. Neste arruamento recente também foi retirado o estacionamento automóvel e desenhada uma via ciclável semelhante à anterior, uma via de duas faixas resguardada com pilaretes. Ponto positivo portanto.

Para este novo arruamento chegar à Rua de Pedro Hispano foi demolida a moradia ali existente. No cruzamento com a Pedro Hispano, a via ciclável ainda continua uns metros, supondo que interrompa ali o seu curso aguardando que a ciclocoisa desça a Rua da Constituição!!!

 

fonte CMP

 

Braga Ciclável reuniu com os candidatos do PEV, na Lista da CDU, pelo círculo de Braga

Braga Ciclável @ Braga Ciclável

Publicado em 2/08/2019 às 10:05

Temas: Notícias Acalmia de trânsito braga ciclável Câmara Municipal de Braga ciclistas Ciclistas Urbanos em Braga ciclovia Estacionamento Mário Meireles Mobilidade Modos Suaves peões Proposta de Mobilidade Sustentável Trânsito Victor Domingos

No dia 29 de Julho de 2019, pelas 19H00, a Associação Braga Ciclável, reuniu com os candidatos do Partido Ecologista Os Verdes, na lista da CDU pelo circulo de Braga, Fernando Sá e Filipe Gomes, no Parque da Ponte, em Braga. A representar a associação estiveram Mário Meireles, Victor Domingos e Arnaldo Pires.
A pedido do Partido Ecologista os Verdes foi agendada esta reunião para se debater quais as medidas que se deverão tomar para fomentar mobilidade ativa e, sobretudo, o que muito há a fazer para melhorar a segurança dos utilizadores de bicicletas e peões.
Filipe Gomes iniciou  a reunião destacando as preocupações do partido a nível ambiental e de mobilidade sustentável, apontou ao longo da reunião vários projetos que foram, e outros que ainda, estão em desenvolvimento pelo partido.
Victor Domingos realizou uma resenha histórica do que foi o início da Braga Ciclável e como esta evoluiu ao longos dos últimos ano. Apontou as dificuldades mais debatidas pelos utilizadores de bicicletas, nomeadamente a falta de segurança para as crianças andarem de bicicleta na cidade, nomeadamente se deslocarem para a escola.
Foram debatidos os pontos mais preocupantes da cidade, em termos de segurança rodoviária, e o que se pode vir a desenvolver para dinamizar a mobilidade ativa, segura, e mais sustentável na cidade de Braga.
Debateu-se ainda que o estacionamento direcionado para as bicicletas é insuficiente, e em alguns, casos desajustado. Foi sugerida pela Braga Ciclável a implementação de bicicletários em todas as escolas do concelho, como medida para estimular a mobilidade ativa e autónoma das crianças.
 
Outros temas abordados foram as metas de descarbonização, a mobilidade ativa e a sustentabilidade ambiental, e o impacto positivo sobre a qualidade de vida dos habitantes, com benefícios para a saúde, economia pessoal e ambiente. A Braga Ciclável sugeriu a implementação de controlo trimestral da qualidade do ar, a nível nacional, com debates regulares sobre as medidas a implementar, para a sua melhoria constante.
 
Página 1 de 45 | Seguinte >>