o futuro e o presente sobre duas rodas

paulofski @ na bicicleta

Publicado em 13/10/2020 às 20:50

Temas: motivação 1 carro a menos bicicleta cargo bikes ciclismo urbano ciclistas urbanos do Porto cidades coisas que leio crianças e bicicletas espalhando os bons exemplos mobilidade outras coisas partilha Porto testemunho

Recentemente testemunhei via a página FB: “A bicicleta como meio de transporte”, um pequeno testemunho, inspirador e motivador para quem duvida que a bicicleta é o melhor meio de transporte em qualquer cidade. Eis o postal de Romina da Costa:

“Olá! Resido no Porto e não tenho carro! Tenho duas crianças pequenas e a nossa bike de carga é o nosso principal meio de transporte. Se me verem pelo Porto ou arredores digam olá! Podem parar pra conversar 😊🙏🏼💗

Trata-se de uma mãe que pedala pela querida Imbicta numa bicicleta de carga, onde no dia-a-dia carrega o seu bem mais precioso. Sem peneiras nem preconceitos. Não tem carro e não se sente obrigada a ter, pois considera a deslocação por bicicleta como primeira opção.

Sente-se feliz, as crianças sentem-se felizes, e isso é o mais importante.

Se pedalas pelo Porto e em algum momento te cruzares com esta bela família, pois a probabilidade de isso acontecer é das mais fortes, aceita o convite da Romina, dá-lhe um olá, um sorriso e, se tiveres tempo, dois dedos de conversa.

 

então, e mudanças… não precisa?!

paulofski @ na bicicleta

Publicado em 7/10/2020 às 13:49

Temas: bicicleta bike to home ciclismo ciclismo urbano ciclistas urbanos do Porto coisas que inventam cromos diálogos fotografia fotopedaladas outras coisas singlespeed testemunho transportes e tecnologia

Aqui, pelo Porto e arredores, temos muitos percursos “rolantes”. Há muitas subidas é claro, algumas demasiado íngremes, que as evito, mas, regra geral, a maior parte são por mim escaladas com relativa facilidade.

Eu entendo. Para qualquer ciclista que pedala para cima e para baixo, todas as mudanças que puder ter na bicicleta fazem muito jeito. Em todas as minhas bicicletas tenho um carreto e desviadores prontos para facilitar a pedalada, atendendo às vontades dos meus músculos.  

Bem, todas as minhas bicicletas excepto uma, Sua Alteza Velo Invicta, que muito tenho usado e abusado nos meus recentes comutes diários.

EX2pscUjJGLHj3tNART8aAchx1YW3LWWCaBPtl4w_UE-2048x1536.jpg

Um par de semanas atrás, subia eu a Estrada da Circunvalação na minha bicicleta singlespeed. Na subidinha antes do semáforo do Hospital da CUF, atrás de uma fila de carros no ralenti, surge à minha esquerda um “estranho” ciclista montado na sua moderna bicicleta de fibra de carbono, batendo nos shifters.

Homem redondo, inclinado sobre o guiador e com um olhar grave, parecia que estava a subir uma montanha de categoria especial. Prestes a engolir um dos pulmões, e dando graças à pausa da pedalada, solta um palavrão e, desajeitadamente, solta também um pé dos pedais pousando o cleat no asfalto.

Olhando para o meu cubo traseiro, exclamou: “Old school, hein?” É fixie?”

– Não, não é fixa mas é fixe, retorqui.

“Então, essa baique é feita de aço?” “É preciso pernas, hããã?” “Bela bicicleta, mas não é pra mim!”

Depois veio mais um interrogatório de quem vangloria as novas tecnologias. Obrigado, retribuí diversas vezes.

De facto, a bicla do sujeito parecia ser daquelas último modelo, incrivelmente leve. Pelo menos, teria menos da metade do peso da minha. Seja como for, não é para o meu bolso, mas agi como se estivesse devidamente impressionado com a máquina, como aqueles viciados em gadgets, peritos no último grito tecnológico das baiques.

– A sua é daquelas com mudanças electrónicas, mas parece-me estar dessincronizada”

E, de facto, era e estava. Sem pilhas, a baique xispêtêó do sujeito mais não era que uma ostentosa singlespeed na roleta de uma qualquer mudança marada… ou pesada, na qual tivesse ficado presa.

O karma é uma coisa estranha… e lixada.

 

Se ficar o bicho come, se pedalar o bicho não pega

Rafael Remondes @ Braga Ciclável

Publicado em 2/10/2020 às 23:01

Temas: Opinião Bicicleta Ciclovias covid COVID 19 Exercício físico pandemia Saúde


Seguramente, toda a gente sentirá que a pandemia alterou imenso as nossa vidas. Ficamos fechados, confinados, durante meses e só no início de Junho pudemos aos poucos deixar a quarentena. Ainda com receios e muitas precauções, vamos saindo e retomando a pouca normalidade que é possível. Sabemos que a nossa vida normal não voltará tão cedo. O actual estado exige muitas precauções.

De tudo de mau e disruptivo que o COVID trouxe às nossas vidas, há oportunidades que nasceram e aspectos menos maus que ocorreram durante este período. O ambiente agradeceu o nosso recolhimento: as emissões de CO2 diminuíram, a qualidade dos nossos rios e mares melhorou e a acalmia do trânsito contribuiu para a redução da poluição sonora. Neste novo quotidiano, alguns perguntaram-se se não seria possível manter aquilo que foi positivo, se seria possível alterar a nossa forma de consumir, produzir e de viver para diminuirmos a nossa pegada ecológica. Neste texto foco-me numa parte, na mobilidade, nomeadamente como esta pandemia pode ser uma oportunidade para massificar o uso da bicicleta.

Com todas as precauções que tomámos no que diz respeito ao distanciamento social e sabendo dos riscos que existem por estar em espaços fechados durante várias horas, o uso dos transportes colectivos traz vários receios que são partilhados por inúmeras pessoas pelo mundo fora. Nesse sentido, numa altura em que regressamos lentamente ao trabalho, a bicicleta tem se tornado uma alternativa muito importante. Como meio de transporte individual que garante não só a distância de segurança, mas também a flexibilidade horária que um transporte colectivo não pode oferecer. E não é apenas uma questão de alternativa ao autocarro ou ao metropolitano, a bicicleta oferece também uma oportunidade para praticar exercício físico ao invés dos espaços fechados que neste momento têm uma limitação de lotação que impede que as mesmas pessoas possam usufruir deles. A OMS sugere inclusive a caminhada e o uso da bicicleta como actividades que preenchem o tempo de exercício físico diário recomendado. Para além disso, nesta altura em que estamos limitados nos ajuntamentos, nos sítios onde podemos ir com regras que temos de cumprir em espaços fechados, a bicicleta oferece um pequeno momento libertador de que podemos usufruir ao ar livre, sem máscara e respeitando todas as distâncias sem riscos de contágio.

Não é por acaso que Portugal e outros países da Europa e do Mundo têm tido um boom tão grande de venda de bicicletas. Cidades como Paris, Milão ou Berlim têm feito em tempo recorde ciclovias. Sim, algumas são precárias, mas são o que basta para incentivar uso da bicicleta. Só França investiu 20 milhões de euros para ter mais franceses a pedalar.

Seria muito interessante ver a nossa cidade com uma rede ciclável. Mesmo que sejam só simples corredores limitados por marcas pintadas na estrada. Estamos no início do ano escolar com milhares de alunos do ensino básico e secundário a circular, há uma série de preocupações de muitos pais no transporte escolar e também nos momentos de convívio que podem ter. Os intervalos estão fortemente restringidos e os alunos são obrigados a passar horas numa sala de aula. Uma rede temporária de ciclovias que pudesse ligar as principais escolas da cidade permitiria que muitas crianças e adolescentes tivessem alguns minutos ao ar livre, tivessem actividade física necessária para o seu bem-estar com o bónus de contribuir para uma diminuição brutal no trânsito automóvel que tanto mal faz à cidade.

Uma das maiores capacidades do ser humano é a capacidade que temos de nos adaptar. Adaptamo-nos a tudo e por isso sobrevivemos e evoluímos aos longo de milhões de anos. Superaremos esta pandemia seguramente, mas devemos refletir e ter imaginação para podermos sair como uma sociedade melhor. A bicicleta é uma excelente alternativa para a mobilidade, para o desporto e para a nossa própria saúde mental. Precisamos fazer uso dela.

 

São Victor cria Banco de Doação de Bicicletas

Braga Ciclável @ Braga Ciclável

Publicado em 22/09/2020 às 23:01

Temas: Notícias Bicicleta Braga braga ciclável European Mobility Week fundo ambiental Mário Meireles Ricardo Silva São Victor Semana Europeia da Mobilidade


A Braga Ciclável e a Junta de Freguesia de São Victor iniciaram no dia 22 de Setembro um Banco de Doação de Bicicletas, celebrando, desta forma, o Dia Europeu sem Carros e o último dia da Semana Europeia da Mobilidade.

Esta iniciativa convida as pessoas que tenham bicicletas paradas em casa, sem utilização, a dar uma nova vida às mesmas, entregando-as ao Banco de Doação de Bicicletas, que fica situado no edifício da Junta de Freguesia de S. Victor.

As bicicletas entregues serão reparadas por voluntários da Braga Ciclável e, posteriormente, serão colocadas ao serviço da Junta de Freguesia de S. Victor como incentivo à mobilidade suave em recursos partilhados. Contudo, ao abrigo de uma política social, algumas bicicletas poderão vir a ser entregues a famílias em situação de baixos recursos financeiros, sobretudo se o agregado for constituído por menores de idade.

Desta forma, a Braga Ciclável e a Junta de Freguesia não só promoverão a utilização da bicicleta na cidade, como permitirão que crianças, jovens e adultos possam usar a bicicleta, incentivando à progressiva utilização desta como meio de transporte e motivando a educação e sensibilização para a sua correta utilização.

Segundo Mário Meireles, dirigente da Braga Ciclável, este é um projeto com potencial de crescimento e que assenta, sobretudo, em duas grandes premissas: o incentivo para o uso quotidiano da bicicleta e a vertente voluntária e altruísta de participação na comunidade, promovendo melhor qualidade ambiental.

Já Ricardo Silva, Presidente da Junta de Freguesia de S. Victor, deseja que este projeto seja a alavanca para uma educação rodoviária inclusiva e que estabeleça a cooperação entre instituições e a solidariedade entre cidadãos, funcionando em rede, num exemplar projeto social de cidadania.

Este projeto insere-se numa candidatura vencedora ao Fundo Ambiental, apresentada pela Braga Ciclável e pela Junta de Freguesia de S. Victor que alcançou a pontuação máxima, demonstrando a pertinência do conjunto de ações preconizadas pela uma mobilidade mais amiga do ambiente.

 

Pedalar em sentido contrário

Eliana Freitas @ Braga Ciclável

Publicado em 18/09/2020 às 23:01

Temas: Opinião Áreas Pedonais Bicicleta Ciclovias COVID 19 Eliana Freitas infraestrutura pedalar na cidade responsabilidade


Não tenho a menor dúvida de que esta pandemia deixou e deixará marcas em todos nós. Entre as cicatrizes, umas mais profundas e outras menos, estou certa de que despertou também muitas vontades. Muito nos temos vindo a questionar sobre este ser o ponto de viragem, sobre ser a oportunidade para agarrar com todas as forças estas vontades.

Enquanto seres individuais, mas também enquanto grupo de pessoas tão diferentes, mas que tem como ponto de encontro a bicicleta, vimos esta vontade a alastrar e a contagiar ainda mais e mais as pessoas em nosso redor, neste contexto de pandemia.

Entre tantas outras coisas, este contexto ajudou-nos a perceber ainda mais a importância de modos de transporte como a bicicleta, na prevenção do contágio. Todos os dias incitamos quem de direito a responder a este desafio, a readaptar infraestruturas, a repensar os espaços e a forma como estes são usados. Criar ciclovias protegidas e aumentar o espaço pedonal, por redução do espaço do automóvel nas atuais ruas e avenidas da cidade, deverá ser o primeiro passo desta transformação.

“Portugal é o quarto no anúncio de ciclovias na Europa pós-covid”, (Jornal Público, 31/08/2020). Mas Braga não é uma das cidades referidas neste artigo. Braga não pedala claramente no mesmo sentido de Portugal e da Europa, arriscaria dizer que pedala em sentido contrário.

Mas não estamos a falar só da vontade dos Bracarenses, estamos a falar de uma necessidade, estamos a falar da última oportunidade para nos reinventarmos, pois o futuro deste planeta não depende só de ações megalómanas, mas do sentido de responsabilidade de cada um. A Covid-19 está a ser uma catástrofe a todos os níveis e também o serão as alterações climáticas, se não conseguirmos reduzir as emissões de CO2 para metade até 2030.

Investir em infraestruturas não é urgente, é obrigatório e fundamental. E os fundos existem, só falta a vontade para os aplicar.

 

Cicloturismo com Crianças: Vouga e Dão

Gonçalo Peres @ Viagens a Pedal

Publicado em 13/09/2020 às 8:25

Temas: Famílias e crianças Geral cicloturismo crianças férias multimodalidade relatos Verão viagens de bicicleta

Introdução

Na segunda quinzena de Agosto 2020, fiz mais uma aventura em bicicleta com os meus filhos (8 e 12 anos), durante 10 dias. O plano foi explorar a Ecopista do Vouga e a Ecopista do Dão, com vários desvios pelo caminho, para desfrutar de praias fluviais e outros lugares interessantes e apelativos para as crianças.

Clique na imagem para ver o percurso completo das viagens gravadas no Strava e carregadas para o Alltrails.com

Esta viagem surge no seguimento de outras aventuras no passado, que começaram com pequenas viagens de 2 ou 3 dias (exemplos aqui e aqui) e que serviram para ganhar experiência, testar equipamento, ver o que funciona, o que é preciso e o que está a mais. As minhas viagens a solo, desde 2014, também me permitiram perceber a dinâmica do tráfego rodoviário em determinadas regiões e as infraestruturas existentes para viajar de bicicleta com duas crianças.

Em Agosto de 2017 fizemos uma viagem de 4 dias no centro-oeste, entre Marinha Grande e Óbidos (com amigos). Em Junho de 2018 fizemos uma viagem de 6 dias pela Costa Vicentina, entre Vila do Bispo e Vila Nova de Milfontes (com amigos). Em 2019 fizemos a nossa maior viagem – 13 dias pelo Alto Minho, da qual resultou uma série de vídeos (ainda à espera de tempo para editar os últimos 4 dias…).

Em todas estas viagens utilizamos apenas as bicicletas e transportes públicos (comboio e autocarro) para nos deslocarmos. Nas primeiras viagens cheguei a levar um atrelado para o meu filho mais novo, que na altura apenas pedalava nas partes mais fáceis. As bicicletas foram acompanhando o seu crescimento e o equipamento de campismo foi estabilizando. Hoje em dia é fácil tomar a decisão de rapidamente partir em mais uma viagem. A tecnologia que temos hoje na palma das mãos, com um smartphone, também ajuda a improvisar e readaptar a viagem, diariamente, ao sabor do momento e das vontades. A nossa geografia portuguesa, com curtas distâncias entre pontos de abastecimento e de interesse, grande variedade de atrações (aldeias históricas, praias fluviais, etc.), também tornam Portugal um país com um enorme potencial para este tipo de aventuras. Numa altura em que é importante reduzirmos a nossa pegada ambiental e “desacelerarmos o ritmo”, ao mesmo tempo que as pessoas procuram proximidade com a natureza, sem a estragar, este tipo de viagens fazem cada vez mais sentido e recomendam-se. É fundamental haver um investimento sério, planeado e articulado com a ferrovia, a nível nacional e regional, em ecopistas, ecovias, assim como sinalização e acalmia de tráfego na extensa rede de estradas secundárias com pouco movimento rodoviário motorizado que existem em todo o país, que permitam tirar partido deste enorme potencial turístico sustentável. A Rede Nacional de Cicloturismo também é uma boa referência.

Uma breve descrição desta viagem

No dia 20 de Agosto de 2020 apanhámos um comboio InterCidades até Aveiro, e começámos a pedalar em direção a Sernada do Vouga, onde se inicia a Ecopista do Vouga. Também é possível apanhar um comboio regional para fazer este primeiro troço, mas preferimos pedalar. Porque eram apenas 25 kms e já tinha testado umas estradas secundárias com pouco tráfego e porque o material ferroviário que percorre este troço (e que tinha visto parado em Sernada do Vouga há uns meses) é uma antiga, “fumarenta” e ruidosa locomotiva a diesel, com as janelas cobertas de grafitti, onde até a paisagem deve ser difícil de disfrutar…  Por isso, chegados a Aveiro, mesmo a chover ligeiramente, fizėmo-nos à estrada. Tivemos de fazer três paragens para nos abrigar, quando a chuva se tornava mais intensa. Chegámos a Paradela às 20:00 e para grande sorte nossa deixaram-nos pernoitar dentro da antiga estação (deve ser o “karma” dos Warmshowers que acolhi 😉 ).

  • Dia 1: De Aveiro até Sernada do Vouga por estradas secundárias, com chuva
  • Dia 1: Km Zero da Ecopista do Vouga
  • Dia 1: Ecopista do Vouga
  • Dia 1: Ecopista do Vouga
  • Dia 1: Ecopista do Vouga
  • Dia 1: Ecopista do Vouga

[Pode clicar nas fotografias e ver em slideshow]

No segundo dia, já com sol, fomos à Praia Fluvial Quinta do Barco, onde alugámos um kayak e demos uns mergulhos. Ao final do dia ainda regressámos à ecopista e pedalámos uns quilómetros, até encontrarmos um bom local para acampar, debaixo dum telheiro num parque de merendas.

  • Dia 2: Passeio de Kayak no Rio Vouga
  • Dia 2: Praia Fluvial Quinta do Barco
  • Dia 2: Ecopista do Vouga
  • Dia 2: Ecopista do Vouga
  • Dia 2: Pernoita protegida por um telheiro num parque de merendas

No terceiro dia chegámos a S. Pedro do Sul e passámos a tarde no bonito e recente Parque Urbano das Nogueiras. Fomos também conhecer a Praia Fluvial de Pouves e acabámos a dormir na Pousada da Juventude.

  • Dia 3: Pequeno Almoço
  • Dia 3: Parque Urbano das Nogueiras
  • Dia 3: Parque Urbano das Nogueiras
  • Dia 3: Parque Urbano das Nogueiras
  • Dia 3: Tão amigos….
  • Dia 3: Praia Fluvial de Pouves

No quarto dia afastámo-nos novamente da ecopista e subimos 10 kms por tranquilas estradas municipais até ao Poço Azul, perto de Santa Cruz da Trapa. Chegámos ainda cedo e os meninos adoraram o lugar. A certa altura, estava eu junto à água e uma pessoa pergunta-me se é o meu filho que está no “local dos saltos”, a 6 metros de altura da água. Respondo que sim, mas que não acreditava que ele tivesse coragem de se atirar… Estava a falar com um outro rapaz mais velho que já tinha saltado algumas vezes e lhe explicava como fazer. Dois minutos depois o Diego salta, para minha surpresa! O resto da tarde foi passado a saltar das rochas para a água e a explorar a natureza envolvente. Até eu tive de saltar, para não ficar mal na “fotografia”… No final do dia, voltámos às bicicletas e subimos mais um pouco até ao Bioparque de Carvalhais, em pleno Parque Florestal do Pisão, onde acamparíamos as próximas duas noites.

Vídeo do Poço Azul:

  • Dia 4: A caminho do Poço Azul
  • Dia 4: Poço Azul
  • Dia 4: Poço Azul
  • Dia 4: Poço Azul
  • Dia 4: A caminho do Bioparque de Carvalhais

Começámos o quinto dia com uma atividade de Arborismo relativamente exigente. O Filipe conseguiu fazer o percurso, mas com a minha ajuda. Alguns adultos não conseguiram e estavam bastante receosos e atrapalhados! Passámos o resto do dia na piscina com um mega escorrega e uma bonita envolvente florestal de montanha. Fizemos ainda uma caminhada ao final do dia pelos Moinhos do Pisão.

  • Dia 5: Toca a acordar!
  • Dia 5: Arborismo
  • Dia 5: Piscina com escorrega
  • Dia 5: Levadas dos Moinhos do Pisão
  • Dia 5: Rotas pedestres no Parque Florestal do Pisão
  • Dia 5: Parque de Campismo do Bioparque

No sexto dia regressámos a S. Pedro do Sul onde apanhámos novamente a Ecopista do Vouga, sempre a subir suavemente até Viseu. Esta é a parte menos cuidada e mais abandonada da ecopista, principalmente entre Bodiosa e Viseu, com o antigo canal ferroviário a desaparecer por diversas vezes e a termos de circular pela estrada nacional em algumas partes. Chegados a Viseu, fomos deixar as bicicletas e alforges na Pousada da Juventude e fomos dar uma volta pelo centro histórico, onde os meninos se divertiram a subir e saltar os penedos encostados à Sé Catedral de Viseu. Apesar dos 45 kms percorridos nesse dia, maioritariamente a subir, comprova-se que a energia das crianças é muito maior do que julgamos e depende apenas da motivação adequada. A noite ainda se prolongou ao encontrarmos uma autêntica “feira popular” instalada no meio da cidade, uma “versão light” da famosa “Feira de S. Mateus”. Os carrinhos de choque, as camas elásticas e outras diversões fizeram os meninos não querer terminar o dia tão cedo!

  • Dia 6: De regresso a S. Pedro do Sul
  • Dia 6: Ecopista do Vouga em S. Pedro do Sul
  • Dia 6: Rio Vouga
  • Dia 6: Ecopista do Vouga
  • Dia 6: Catedral Sé de Viseu
  • Dia 6: Feira de S. Mateus
  • Dia 6: Parque de Diversões
  • Dia 6: Parque de Diversões
  • Dia 6: Carrinhos de Choque
  • Dia 6: Carrossel

No sétimo dia continuámos a explorar Viseu, com os seus bonitos jardins. Os meninos experimentaram uma hora e meia de patinagem na famosa pista do Palácio de Gelo. Ainda visitámos o Solar dos Peixotos, edifício recuperado e onde está instalada a Junta de Freguesia de Viseu, a convite de um dos vereadores que conhecemos na noite anterior. A Mata de Fontelo também é um lugar a não perder, para estar perto da natureza. Claro que à noite regressámos ao parque de diversões, para gáudio dos meninos!

  • Dia 7: Rua Direita, centro histórico de Viseu
  • Dia 7: Pista de Gelo
  • Dia 7: Mata do Fontelo
  • Dia 7: Mata do Fontelo
  • Dia 7: Mata do Fontelo
  • Dia 7: Pousada da Juventude de Viseu

No oitavo dia pegámos novamente nas bicicletas e começámos a descer a Ecopista do Dão, a parte mais fácil da viagem, com o seu piso de ciclovia e maioritariamente a descer suavemente na direção que levávamos. Antes do almoço já estávamos a fazer o primeiro desvio para a Praia Fluvial de Nandufe, a pouco mais de 1 km da ecopista. Ali ficaram os meninos entretidos nas brincadeiras de saltar das árvores para o rio até ao final da tarde. Por volta das 19:00, pegámos nas bicicletas – ainda remendei um furo a um dos rapazes que morava numa aldeia perto e tinha ido de bicicleta – e fomos diretamente até Tondela, à procura dum lugar para jantar. Encontrámos o Gastrófilo, que tinha exatamente o que todos gostávamos: esparguete à bolonhesa para eles e uma boa salada para mim! Nesse dia pernoitámos perto da antiga estação de Tondela.

  • Dia 8: Ecopista do Dão, Viseu com piso vermelho
  • Dia 8: Antiga Estação com café, restaurante e aluguer de bicicletas
  • Dia 8: Praia Fluvial de Nandufe
  • Dia 8: Restaurante Gastrófilo em Tondela
  • Dia 8: Mais uma pernoita por aí…

No nono dia da viagem, continuámos a descer a Ecopista do Dão, mas por poucos kms, pois havia mais uma praia fluvial para explorar. Ferreirós do Dão ficava apenas a 4 kms da ecopista, mas havia duas passagens de rios para transpor – Rio Dinha e Rio Asnes, ambos a desaguar no Dão – o que implicava algum sobe e desce. Mas valeu bem a pena. A praia fluvial é muito bonita, com uma ponte romana bem conservada e uma represa a proporcionarem um belo enquadramento paisagístico, muita área disponível, pouca gente, sombras, águas profundas para nadar à vontade e algumas rochas para os meninos se divertirem a saltar. Pelo lado negativo, o café de apoio estava fechado, bem como as casas de banho. Mas havia água potável e na vila, a 700 metros da praia o “Cantinho da Valéria” (padaria, pastelaria, pizzaria e mini-mercado) servia de abastecimento. Ali passámos o resto do dia e pernoitámos.

  • Dia 9: Ecopista do Dão, concelho de Tondela, com piso verde
  • Dia 9: Ferreirós do Dão
  • Dia 9: Praia Fluvial de Ferreirós do Dão
  • Dia 9: Praia Fluvial de Ferreirós do Dão
  • Dia 9: Pernoita na praia

No décimo e último dia da viagem ainda ali continuámos até às 17h, altura em que nos fizémos novamente às duas subidas íngremes que nos separavam da Ecopista do Dão. Percorremos tranquilamente os últimos 15 kms da ecopista, que entretanto mudava da côr verde para azul, até à estação de Santa Comba Dão, onde iríamos apanhar um comboio InterCidades de regresso a Lisboa.

  • Dia 10: Praia Fluvial de Ferreirós do Dão
  • Dia 10: Pequenas Rotas a explorar
  • Dia 10: Praia Fluvial de Ferreirós do Dão
  • Dia 10: Praia Fluvial de Ferreirós do Dão
  • Dia 10: Junção do Rio Asnes com o Rio Dão
  • Dia 10: Praia Fluvial de Ferreirós do Dão
  • Dia 10: Ecopista do Dão em verde
  • Dia 10: Ecopista do Dão em azul
  • Dia 10: Estação de Comboios de Santa Comba Dão

Infelizmente, a ecopista continua a terminar (ou começar) numa pequena subida bastante inclinada, de apenas uns 30 metros, mas com terra e pedras rolantes e no final um degrau com cerca 30 centímetros de altura de acesso à plataforma da estação, o que tornam a tarefa de empurrar uma bicicleta carregada com alforges um desafio complicado, para não falar dum atrelado. Não sei se é mais fácil subir ou descer. Não se compreende que passados tantos anos (a primeira vez que aqui passei foi em 2014) estes últimos poucos metros que fazem a ligação à estação de comboio continuem abandonados e esquecidos, sem qualquer intervenção, a contrastar com os restantes 48 kms da ecopista (descontando os inúmeros obstáculos de madeira ou metal em cada pequena intersecção). Imaginem a Auto-Estrada Lisboa-Porto acabar num caminho de terra, onde apenas passa um carro de cada vez, com uma subida de 30% de inclinação e cheia de pedras e ainda um degrau no fim com 30 cms de altura… São estas “sabotagens” e obstáculos que continuamos a ver em ecopistas, ecovias e infraestruturas que servem para turismo ou deslocações diárias em bicicleta. Claro que não as deixamos de fazer e são uma experiência altamente positiva para pessoas determinadas, flexíveis e com espírito de aventura, mas lembrem-se da analogia da “auto-estrada” que acabei de descrever 😉

Dia 10: Os últimos ou primeiros 30 metros da Ecopista do Dão são inexplicáveis…

 

Os lobos em Yellowstone e a Mobilidade Sustentável

Zé Gusman @ Braga Ciclável

Publicado em 5/09/2020 às 8:00

Temas: Opinião Ambiente animais ciclovia Ciclovias Ecovia impacto lobos natureza Rio Este Yellowstone


Comemoraram-se, no início deste ano, 25 anos que os lobos foram reintroduzidos no Parque Nacional de Yellowstone nos E.U.A. Na altura, quem estava contra a medida argumentava, que a reintrodução dos lobos iria ser dispendiosa, implicar riscos para a população e iria ter impactos económicos importantes pelos danos que causaria na pastorícia. Reconhece-se hoje que a presença dos lobos matou alguns alces e afastou-os das grandes áreas de pastagem. Isso permitiu que nesses locais crescessem árvores cujos rebentos antes eram anteriormente comidos pelos alces. As árvores trouxerem aves e também castores, que com as suas “barragens” deram habitats para peixes. A isto juntou-se um aumento de visitantes anuais no Parque.

A magnitude da “história” que acabei de contar não é totalmente consensual e é motivo de debate científico. Em todo o caso, ilustra bem que em sistemas complexos, onde há muitos fatores a interagir, como é um ecossistema ou como é também é uma cidade, a relação causa-efeito é normalmente complexa, e os impactos de uma determinada medida vão além dos resultados diretos e são muitas vezes contraintuitivos.

Um bom exemplo disso é a Ecovia do Rio Este. Esta infraestrutura “convidou” a população para junto do rio e serviu de mote à renaturalização de vários troços do seu curso. Hoje em dia, temos uma população muito mais exigente acerca da preservação ambiental do rio do que era outrora. Isto, juntamente com as ações de renaturalização, valorização ambiental e de controle de descargas efetuadas ao longo dos anos, tornaram o Rio Este um habitat para diversas espécies: lontras, garças-reais, patos-reais, guarda-rios, etc. Aquilo que foi construído com o principal intuito de ser uma infraestrutura de lazer e mobilidade, tem impactos que vão muito além disso.

Da mesma forma, em cidades espalhadas pelo mundo, tem-se vindo a observar que substituir o espaço do automóvel por espaço para os transportes públicos, para a bicicleta e para andar a pé, facilita a mobilidade de todos, inclusivamente daqueles que têm mesmo de utilizar o automóvel. A isso junta-se um conjunto de outros impactos na saúde da população, no comércio de rua, nos gastos da população com mobilidade e na forma como é vivida a Cidade.

 

A Ciclorrevolução

Arnaldo Pires @ Braga Ciclável

Publicado em 22/08/2020 às 9:25

Temas: Opinião Bicicleta ciclorevolução Franceses Holandeses L'OBS Léonore Moncond'huy vélorution


Há dias a revista francesa L’Obs apresentava, na capa, Léonore Moncond’huy, líder dos Verdes, deslocando-se de bicicleta, vestindo roupa casual. O título da revista era “Vive la Vélorution!”. Segundo a revista, durante a pandemia, na França, deu-se um crescimento, tremendo, de utilização de bicicleta, como modo de transporte. As pessoas passaram a recear a falta de garantia de distanciamento físico e de higiene, dentro das carruagens de metro e dentro de autocarros.

Para além da vontade popular é de destacar que vários executivos municipais, incluindo o de Paris, também, contribuíram, e muito, para esta mudança na forma de vida e de estar. Com a criação de 50Km de pistas cicláveis, suplementares, fizeram Paris parecer Amesterdão, de um dia para o outro.

A ideia governativa é cativar a população, que apenas “usava a bicicleta em 3% das suas deslocações, para valores próximos dos 28% do Países Baixos e 18% dos Dinamarqueses”, criando ”pistes cyclabes sécurisées, bien séparées des voitures”.

Desde 1970 que os franceses foram estimulados a olhar para a bicicleta como um objeto de lazer ou de desporto, não como modo de deslocação diária, passando o automóvel a ocupar o lugar de destaque nas cidades. Em Portugal, foi igual.

Na mesma altura, em Amesterdão, perante o crescente número de atropelamentos a população revoltou-se e impôs restrições aos automóveis. Na altura ficou famoso o texto de um jornalista, cujo filho foi atropelado por um carro, que se intitulava “Halte aux meurtres d’enfants?”. Esta forma de descrever os atropelamentos, associada à pressão popular foram fundamentais, para impulsionar a restrição automóvel, porventura ainda o são.

Será esta a altura certa para que se dê em Portugal a nossa ciclorrevolução. É altura de deixarmos de ver o automóvel como símbolo de afirmação social. O automóvel deve deixar, rapidamente, de ser o centro das nossas cidades e deve passar a ser um modo de deslocação que excepcionalmente e justificadamente é usado.

As poucas cidades que já iniciaram esta revolução verde beneficiaram de uma maior qualidade de vida: as crianças ganharam espaço para brincar/exercitar; os idosos maior tranquilidade nas deslocações, sobretudo nos atravessamentos; e a sinistralidade caíu radicalmente.

Braga apresenta um atropelamento a cada 3 dias! Números inaceitáveis!
Pouco tem sido feito ao longo das últimas 2 décadas, pelo que os números se mantêm indecorosos.

Façamos como os Holandeses da década de 80, e os franceses atuais, e impulsionemos, para bem de todos, uma ciclorrevolução nacional!

 

O uso da bicicleta, por miúdos e graúdos

Raquel Martins @ Braga Ciclável

Publicado em 7/08/2020 às 23:01

Temas: Opinião Bicicleta Braga braga ciclável graúdos miúdos


A bicicleta surgiu como um modo de transporte muito usado nos antepassados, tendo sido, por muitas pessoas colocado na garagem, com o surgimento do automóvel. Porém, com a quarentena, urgia a necessidade do exercício ao ar livre, do contato com a natureza, daí o maior investimento e gosto, por muitos, pelo uso de bicicleta, onde eu, pessoalmente, estou incluída.
Com o sedentarismo da população, os horários laborais prolongados e o aumento do stress a par das obrigações pessoais levam mais pessoas ao uso de bicicleta, em cidade, pelo favorecimento de exercício, utilizando momentos de deslocações, que de carro, favoreciam o sedentarismo.
Em Braga, uma cidade jovem, populacional, com pólos de interesse bem delimitados, nomeadamente, o Hospital de Braga, a Universidade do Minho, o Centro de Nanotecnologia, o Centro Histórico, o Santuário do Bom Jesus, é imperioso uma ciclovia segura, para que os cidadãos possam percorrer o ser percurso em segurança, e não obrigar ao uso de bicicleta em estrada, já que os elevados níveis de sinistralidade na região são assustadores, devido ao excesso de velocidade dos automóveis, nas variantes urbanas. Assistimos, ainda, a um centro histórico densamente populoso, com várias escolas públicas e privadas nas mediações, sobrelotado pelo trânsito, pelo que, a médio prazo, uma ciclovia segura, poderia potenciar o uso, também pelas crianças, à semelhança de outros países, como os nórdicos, permitindo a diminuição do sedentarismo, capacitando os mais pequenos (futuros adultos, amanhã!) para a educação rodoviária, melhorar a saúde mental, favorecendo maior capacidade atencional e equilíbrio e, consequente, diminuição da agitação corporal.
Nas cidades vizinhas, saliento, a ecopista de Guimarães-Fafe, fruto do reaproveitamento do antigo caminho ferroviário, com uma extensão de 6.980 metros, dividida em percursos, permitindo percorrer a cidade e apreciar vários locais. Se prefere apreciar a paisagem à beira-mar, direciono-o para a Ciclovia da Ribeirinha de Esposende, de dificuldade fácil, com cerca de dois quilómetros, onde marginal Norte da Foz do Rio Cávado é o ex-libris do percurso. Esta é uma parte do percurso da Ecovia do Litoral Norte, que liga Esposende a Caminha, garantindo condições de segurança para quem gosta de andar de bicicleta, além de permitir o maior conhecimento de fauna e flora da orla costeira, a par de deliciosas paisagens, muitas vezes, de carro impossíveis de apreciar.
Boas Pedaladas!
“Nada se compara ao simples prazer de pedalar.”
(John Kennedy)

 

Era inaceitável mesmo que ela tivesse passado com o vermelho

Ana Pereira @ Cenas a Pedal

Publicado em 16/07/2020 às 0:42

Temas: Causas Indústria e Consumidor Infraestruturas e urbanismo Notícias Políticas Segurança políticas públicas segurança rodoviária urbanismo

A Ana tinha 16 anos e morreu na semana passada.

Morreu atropelada numa passadeira de peões. Caminhava com uma bicicleta pela mão (a bicicleta, aqui, é pouco relevante), viu o sinal verde e avançou, confiando na infraestrutura e nas regras de trânsito e na responsabilidade dos condutores de automóvel.

O “Manuel” (vamos chamar-lhe assim, visto ninguém ter divulgado o seu nome) tem 19 anos e matou a Ana na semana passada. Conduzia um automóvel, não terá visto ou viu mas não respeitou o sinal vermelho, e atropelou a Ana, apesar da visibilidade para o passeio e para a passadeira ser perfeita. Atropelou-a a uma velocidade tal que lhe causou a morte uns dias depois. 

Três dias depois de Ana Oliveira, 16 anos, ter sido atropelada mortalmente nesta mesma passadeira por um motorista que terá passado o vermelho, nada mudou.@FMedina_PCML: o que é que a @CamaraLisboa vai fazer quanto ao constante desrespeito dos motoristas pelos semáforos? pic.twitter.com/S12N1z6ghs

— Capitão Bina (@CapitaoBina) July 13, 2020

A Ana morreu, não está cá para lamentar ter perdido a vida, ter perdido a oportunidade de viver a sua vida, de fazer as coisas que sonhava fazer. Mas estão cá os seus pais, os seus familiares, os seus amigos, que terão que continuar a viver com o choque, a dor da perda e a revolta por uma morte violenta e principalmente, perfeitamente evitável. 

Por que achamos aceitável matar um filho ou uma filha a alguém?

Por que achamos aceitável matar um pai ou uma mãe a alguém?

É que fazemo-lo anualmente, matamos cerca de 600 filhos e/ou pais de outras pessoas. E ferimos gravemente milhares de outros. E nada fazemos para impedir eficazmente isto, ano após ano.

O “Manuel” vai ter que viver sabendo que matou uma pessoa. O que vai isso fazer à sua vida? À sua saúde mental, à sua relação consigo próprio e com os outros? 

Claro que o normal é querermos linchar o “Manuel”. Ele infringiu duas regras, aparentemente. Cometeu um erro e em consequência alguém morreu.

Sim, o “Manuel” deveria ser punido exemplarmente. Mas não basta ser só ele. Têm que ser todos os “Manuéis”, e principalmente, todos os “Manuéis” que vão cometendo estas infrações sem matar nem atropelar ninguém. Antes que atropelem e matem alguém…

Mas o “Manuel” é também uma vítima deste ambiente tóxico que estimula e permite comportamentos perigosos na condução de veículos automóveis. Todos nós, quando conduzimos automóveis, caímos, uns mais, outros menos, nos mesmos erros – excesso de velocidade, manobras perigosas, distrações – simplesmente a maior parte de nós tem a sorte de não acabar matando alguém. O “Manuel” somos nós todos, só que num dia “de azar”.

Sim, temos que ter melhores leis, mas temos depois que ter melhor fiscalização (muito melhor, que somos uma anedota a este nível), e também temos que ter um melhor sistema judicial, um que não deixe prescrever as coimas, um que em julgamento não desculpabilize quem cometa infrações graves, perigosas, e crimes rodoviários.

E sim, precisamos de melhor formação ao tirar a Carta de Condução, e de ações de reciclagem e revalidação regulares ao longo da vida.

E sim, precisamos que os media e toda a gente pare de noticiar estas colisões e estes atropelamentos desta forma:

  • usando a palavra acidente, em vez de colisão ou sinistro – não são acidentes, e isto perpetua  ideia de que não temos poder para os evitar, e temos!
  • fraseando as coisas para fazer parecer que são os carros que matam, que estes já são autónomos (ex.: «Carro ‘voou’ para dentro da BP em aparatoso acidente.», «O carro despistou-se numa curva», «o carro não viu», «o carro não parou», etc, etc. Os carros ainda não têm vontade própria, são conduzidos por pessoas e são as ações destas que, tipicamente, geram colisões. Temos que parar de as desculpabilizar com as palavras.
  • focando-se exclusivamente na vítima, as imagens são do local, ou do veículo, ou do corpo da vítima (principal), reforçando novamente a sensação de impotência e de vulnerabilidade, e o medo de morrer de quem já mais morre – o foco deve ir primeiro para quem mata e quem fere, queremos disseminar o perfil do agressor, só assim podemos, a nível de políticas públicas, perceber onde e como intervir. As notícias não devem servir para disseminar junto das potenciais vítimas o medo de morrer, devem servir principalmente para disseminar junto dos potenciais agressores o medo de matar (e depois também o medo de ser efetivamente punido por fazê-lo!).
  • apontando apenas alegadas falhas de vítimas e de agressores, deixando de lado as falhas das entidades públicas no desenho do ambiente envolvente.

E sim, precisamos de deixar de permitir a publicidade a automóveis associada a comportamentos perigosos, como a velocidade ou a agressividade.

Mas o principal, aquilo que salva vidas, aquilo que previne eficazmente histórias trágicas como a da Ana e a do “Manuel”, é organizar o ambiente urbano e o ambiente rodoviário, e os próprios veículos, de forma a que erros normais, erros naturais, erros observáveis sistematicamente, não acabem com alguém morto ou gravemente ferido.

O “Manuel” cometeu vários erros de condução, e infringiu várias leis, aparentemente, e por isso a culpa da morte da Ana é dele. E podemos, naturalmente, porque somos apenas humanos, dirigir para ele todo o nosso ódio, a nossa revolta, a nossa angústia, por ter roubado a Ana aos seus, e a si própria. E nós sabemos que a Ana poderia ser qualquer um de nós, e qualquer um dos nossos. Mas fazê-lo é injusto, e inútil. Devemos dirigir a nossa raiva para ações que efetivamente levem a mudanças estruturais que previnam coisas destas de acontecer.

É que a culpa é dele também, mas não é só dele. É dos arquitectos das nossas cidades, é dos arquitectos destes ambientes em que para agir de forma prudente temos que ser mais informados que o normal, termos mais empatia do que o normal, termos maior sentido de responsabilidade do que o normal, estarmos mais despertos do que o normal, estarmos menos cansados do que o normal, estarmos mais atentos e concentrados do que o normal. Quando devia ser o contrário, devíamos circular em ambientes em que o piloto automático é prudente, e em que para fazermos asneiras temos que as fazer consciente e deliberadamente.

E se tivesse sido a Ana a passar o sinal vermelho? O “Manuel” passaria a ser visto como uma pobre vítima, para sempre traumatizada, e a Ana passaria a ser vista como infeliz merecedora da sua má sorte. Uma morte trágica, mas causada pelo seu próprio comportamento.

Esta dicotomia do culpado / não culpado é infeliz. Esta dicotomia é o que nos leva precocemente 600 pessoas todos os anos, e o que nos deixa uns milhares estropiados. Preocupamo-nos em definir quem tem a culpa em caso de colisão, em vez de garantir que essa colisão nunca chega a ocorrer, com culpa ou sem culpa seja de quem for.

Sabemos que 90 % das colisões envolvem erro humano. E sabemos que destas, 90 % envolvem velocidades altas, desadequadas. Não é óbvio que temos que desenhar o nosso ambiente urbano e o nosso ambiente rodoviário, para que, quando os erros acontecem, que acontecerão, invariavelmente, seja de quem for, tal não resulte na morte ou grave ferimento de ninguém? E que isso passa, principalmente, por condicionar física e psicologicamente a velocidade de circulação dos veículos automóveis conduzidos por esses mesmos humanos?

Se baixarmos – por desenho – a velocidade máxima de circulação dos automóveis em meio urbano (e em povoações), de 50 Km/h (teóricos, porque a maior parte dos condutores circula a mais que isso) para 30 Km/h efetivos, garantimos que haverão muito menos colisões, e que as que houver terão 9 em cada 10 pessoas a sobreviver, em vez de apenas 1 em cada 10.

Até quando vamos aceitar manter as nossas crianças e os nossos velhos tristemente reféns em espaços fechados, impedidos de estar e de circular na cidade de forma autónoma, para que nós possamos circular pela cidade a velocidades incompatíveis com a vida, só porque sim?

Quantas pessoas achamos aceitável que morram ou que fiquem estropiadas para que nós possamos exceder os 30 Km/h no meio das cidades ao volante de um objeto de 1 ou 2 toneladas? E quantas destas pessoas podem ser das “nossas”? Aceitamos que nos possam, a qualquer momento, matar um filho, para que possamos todos, coletivamente, conduzir de forma perigosa, e por motivos fúteis?

Por que é que matámos uma filha aos pais da Ana? O que é que vamos fazer para que mais nenhum pai nem nenhuma mãe perca um filho desta forma estúpida? Para que mais ninguém fique sem um irmão, ou sem um pai ou uma mãe desta forma violenta e evitável?…

Hoje, às 19h, estaremos na vigília.

Mas não confundir uma vigília destas com ação. Se queremos mudança temos que fazer lobby junto do governo, junto do parlamento, junto dos partidos, junto da ANSR, junto de n outras entidades públicas. E temos que fazer pressão também junto de entidades privadas, como as escolas de condução, os media, as empresas de transportes coletivos, as empresas de logística, etc, etc. Tornarmo-nos sócios e apoiar o trabalho de associações como a MUBi, e um pouco de #ativismodesofá, mandar mails, mandar cartas, escrever “cartas do leitor” para jornais, intervir em programas de rádio e de TV, etc. 

Temos que mudar o paradigma para ele depois nos mudar a nós.

O conteúdo Era inaceitável mesmo que ela tivesse passado com o vermelho aparece primeiro em Cenas a Pedal.

 
Página 2 de 42 | << Anterior Seguinte >>